Pedro-Franz_abertura

Confiram abaixo entrevista realizada com Pedro Franz, que passou por São Paulo para divulgar o lançamento de seu trabalho: Promessas de Amor a Desconhecidos Enquanto Espero o Fim do Mundo.

Na entrevista ela fala sobre as sua influencias, a sua opinião sobre os comentários de compararem a sua arte com a de Laurenço Mutarelli, a repercussão na Internet, já que a obra foi primeiramente divulgada via web, como será feita a distribuição do álbum e é claro, os planos futuros para a obra.

Impulso HQ: Gostaria que você se apresentasse. Quem é Pedro Franz, qual a sua formação, como você começou a ler quadrinhos e quais são suas maiores influências?
Pedro Franz:
Meu nome é Pedro Franz, sou formado em Design Gráfico pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), também estudei artes plásticas na UDESC (Nota do Editor: Universidade do Estado de Santa Catarina). Meu TCC (N.E.: Trabalho de Conclusão de Curso, trabalho final obrigatório em alguns cursos universitários) foi sobre Alberto Breccia; morei dois anos na Argentina e foi lá que eu voltei a me interessar por quadrinhos.

Acho que minhas influências são: Breccia, uma influência muito forte, para mim, o grande desenhista de quadrinhos, José Muñoz, Taiyo Matsumoto, Suehiro Maruo, gosto bastante de muita coisa japonesa… quê mais que eu gosto…? não sei… eu gosto de muitas coisas.

promessas_01

IHQ: Na internet muita gente compara seu trabalho ao do Lourenço Mutarelli. O que você acha disso?
P. F.:
Muita gente fala isso, acho legal que fale, eu gosto bastante dele e acho um elogio muito forte.

IHQ: Do que se trata a HQ Promessas de Amor a Desconhecidos Enquanto Espero o Fim do Mundo?
P. F.:
É sobre a maneira como a gente lida com situações que nos são impostas. Como a gente vai lidar, vai reagir, vai negar, ou não, alguma coisa que é imposta, alguma situação extrema. É por esse caminho que segue a HQ.

IHQ: É o seu primeiro trabalho com quadrinhos?
P. F.:
Fiz um zine quando tinha uns 18, 19 anos chamado Café com Leite. Publiquei uns dois [números]… tinha 18 ou 19 anos, faz tempo isso… na verdade eu tinha uns 20 anos talvez… não sei… bom, depois eu nunca mais fiz nada com quadrinhos.
Até parei de ler por bastante tempo. Depois, com meu TCC sobre Breccia eu voltei a ter mais interesse, estudar, ler mais e voltei a produzir também. E esse é meu primeiro trabalho longo e sério que estou fazendo com quadrinhos.

promessas_02

IHQ: Quando você concebeu a história de Promessas… já tinha a idéia de publicar via internet?
P. F.:
Na verdade, quando eu comecei, tinha a idéia muito forte de trabalhar com a questão de ser em série, de tentar entender o que isso representa para o leitor, trabalhar numa história contada em capítulos.
Eu já previa a idéia de trabalhar com uma trilogia, cada uma com quatro capítulos, cada uma com uma identidade própria, que tivesse um tipo de traço e narrativa próprios em cada capítulo. Tinha a idéia de ser um trabalho impresso.

A única editora com que eu conversei foi uma editora que eu gosto bastante do que eles publicam e achava que dialogava com meu trabalho, mas me interessava ter o controle sobre o que eu estava fazendo e a internet tem uma relação muito forte com isso, de mostrar o processo, de conversar com as pessoas, de dar algo de graça.

Tem uma parte do projeto para as pessoas enviarem fotos 3×4 para fazerem parte da parte gráfica da HQ, que eu enxergo como parte da narrativa.
promessas_03

IHQ: Qual foi a repercussão via internet?
P. F.:
Achei que seria maior. Como experiência, eu achei que a internet, pelo fato de ser uma coisa gratuita, iria repercutir muito mais. Achei que as pessoas iriam se interessar por algo que está ali, que é de fácil acesso. Foram uns 1.300 downloads [do volume 1], mas eu achei que seria maior a repercussão.

IHQ: Os próximos números já estão prontos?
P. F.:
Não. Eu tenho a história completa desde o início, estou trabalhando nesse projeto há um ano e vou terminá-lo, provavelmente, daqui a quase um ano e certamente esse período influenciará em meu trabalho; sei que a pessoa que começou a pensar esse projeto e a pessoa que vai publicar o último capítulo são pessoas diferentes. Isso influencia muito no trabalho.

IHQ: A idéia é sempre fazer a versão virtual e a versão impressa?
P. F.:
Para mim, histórias em quadrinhos têm que ser impressa. A internet foi um conselho que me deram e eu achei ótimo. Mas a edição impressa e a edição virtual são duas coisas completamente diferentes, não sei se o público é diferente, mas as edições funcionam de modo diferente e, no modo de como publicar isso, o veículo influencia muito: tentar trazer algum tipo de informação seja a escolha do papel, do formato etc. e como isso vai ser trabalhado na edição impressa para ser uma informação que de alguma forma participe da narrativa da história.

A idéia da trilogia também tem essa preocupação: cada volume impresso terá uma idéia, de design, de projeto gráfico, que influencie na narrativa de alguma maneira.
promessas_04

IHQ: Como será a distribuição?
P. F.:
A logística da distribuição eu estou descobrindo como funciona agora, mas é aquela coisa de levar nos lugares e perguntar “você quer vender meus quadrinhos?” (risos).

IHQ: Tanto o título do seu trabalho quanto a capa fogem bastante da linguagem tradicionalmente utilizada nos quadrinhos. Olhando para seu trabalho, dificilmente alguém advinha que se trata de uma HQ. Isso é proposital?
P. F.:
Dentro da produção de quadrinhos, principalmente nacionais, tem algumas idéias prontas que as pessoas repetem muito e eu tentei, de alguma maneira, fugir disso.

IHQ: Você acha que o fato de ter o mesmo conteúdo disponível para download gratuito vai interferir nas vendas da edição?
P. F.:
Não sei, mas é a vida, né? Se influenciar, tudo bem. Existe uma equação do Luther Bisset que é 1/40, a cada 40 obras baixadas [na internet], 1 obra impressa será vendida. As editoras interpretam isso como “ok, estamos perdendo 39 edições”, mas na verdade é uma publicidade gratuita que você tem com a internet, ou seja, quanto mais downloads, mais edições serão vendidas. Eu interpreto assim.

Alexandre ManoelquadrinhosPedro Franz,Promessas de Amor a DesconhecidosConfiram abaixo entrevista realizada com Pedro Franz, que passou por São Paulo para divulgar o lançamento de seu trabalho: Promessas de Amor a Desconhecidos Enquanto Espero o Fim do Mundo. Na entrevista ela fala sobre as sua influencias, a sua opinião sobre os comentários de compararem a sua arte com...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe