Diretamente do SOC! TUM! POW! – Doctor Doctor

O que começou em 1954 com a histeria propagada pelo livro do psiquiatra Fredric Wertham, Sedução do Inocente, vem se enfraquecendo cada vez mais. Ontem a DC divulgou uma nota informando que seus títulos não mais trarão estampados o famigerado selo do Comic Code Authority.

A partir de abril deste ano a editora adotará um forma própria de classificação e informação do conteúdo de suas revistas, com exceção dos títulos da linha Vertigo, os quais no lugar da classificação continuarão a trazer em suas capas a informação “For mature readers” [Para leitores adultos].

No lugar do selo a DC divulgará letras nas capas que obedecerão a seguinte classificação:

E (Everyone) – “Apropriado para leitores de todas as idades. Pode conter violência de cartoon e/ou alguma travessura cômica.”

T (Teen) – “Apropriado para leitores de 12 anos ou mais velhos. Pode conter violência leve, linguagem e/ou temas sugestivos.”

T+ (Teen Plus) – “Apropriados para leitores de 16 anos ou mais velhos. Pode conter violência moderada, profanidade leve, imagens e/ou temas sugestivos.”

M (Mature) – “Apropriados para leitores de 18 anos ou mais velhos. Pode conter violência intensa, profanidade extensiva, nudez, temas sexuais e outros conteúdos apropriados para leitores mais velhos.”

A decisão da DC em romper com uma forma de censura tão limitante é, obviamente, mais do que acertada pelos editores e bem-vinda pelos leitores, pois não existe nada mais triste do que ver uma boa história alterada devido a quaisquer tipo de preconceitos.

Vide por exemplo o Homem-Aranha, cujo simples divórcio teria sido uma resolução muito melhor recebida pelos fãs para o fim de seu casamento do que o polêmico pacto com Mefisto.

Devido aos típicos valores tradicionalistas dos estadunidenses o então editor-chefe da Marvel, Joe Quesada, manifestou-se como o divórcio sendo uma prática inadequada para o herói.

Mas, na verdade a existência do Comic Code Authority pouco significa hoje para o desenrolar das histórias, visto que se alguma cena não era aceita pelo código a DC simplesmente a lançava sem o selo estampado na revista. Tão funcional quanto a rainha da Inglaterra, com o rompimento da DC em relação a censura, o selo continua sendo agora usado somente pela Archie Comics e Bongo Comics.

Vale lembrar que a própria Marvel já havia abandonado o uso do Comic Code Authority em 2001, e por coincidência ou não foi a partir desta época que a Casa das Ideias teve um aumento considerável na qualidade de suas histórias.

Mas, enfim, talvez a melhor consequência deste rompimento da DC com o código e o emprego de sua nova classificação é que agora os títulos adolescentes serão indicados com a letra T e ficará mais fácil evitar as histórias do tipo “Malhação”.

Renato LebeauquadrinhosComic Code Authority,DC Comics,Fredric WerthamDiretamente do SOC! TUM! POW! – Doctor Doctor O que começou em 1954 com a histeria propagada pelo livro do psiquiatra Fredric Wertham, Sedução do Inocente, vem se enfraquecendo cada vez mais. Ontem a DC divulgou uma nota informando que seus títulos não mais trarão estampados o famigerado selo do...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe