astroboy

Criação do “pai dos mangás”, Osamu Tezuka, a história do menino-robô Astro Boy chega aos cinemas na sexta-feira 22 em animação coproduzida por Japão, Hong Kong e Estados Unidos. A combinação entre ocidente e oriente é bem explícita no longa-metragem infantil.

São mantidos alguns traços do mangá japonês, sobretudo no personagem principal, ainda que boa parte dos cenários e coadjuvantes sejam totalmente ocidentalizados.

Responsável por popularizar o estilo, Tezuka criou a história na década de 50 e transformou Astro Boy numa espécie de Mickey Mouse japonês, um símbolo infantil carismático e lucrativo.

Numa realidade futurística, o cientista Dr. Tenma perde o filho Tobio em um acidente dentro de seu laboratório. Em luto, cria um andróide idêntico ao garoto e consegue transferir a ele memórias e sentimentos de Tobio.

Mais tarde expulso de casa, o menino-robô tem que perceber sua condição e adaptar-se a ela numa sociedade onde os robôs são tratados como sucata.

A animação, bem dirigida por David Bowers, consegue misturar drama e ação em boas medidas, sem transformar o enredo em melodrama. O ator Rodrigo Faro, apesar de seus 35 anos, empresta voz ao garoto. O bom trabalho o faz quase passar despercebido.

Texto originalmente publicado no blog de Camila Alam

Camila Alamquadrinhosanimê,Astroboy,mangá,Osamu TezukaCriação do “pai dos mangás”, Osamu Tezuka, a história do menino-robô Astro Boy chega aos cinemas na sexta-feira 22 em animação coproduzida por Japão, Hong Kong e Estados Unidos. A combinação entre ocidente e oriente é bem explícita no longa-metragem infantil. São mantidos alguns traços do mangá japonês, sobretudo no...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe