Em 2009, o primeiro longa-metragem estrelado exclusivamente pela Mulher Maravilha foi lançado em DVD. Trata-se de mais uma bela abordagem do Universo DC conduzida com maestria pela equipe do mestre Bruce Timm, responsável pelas séries do Batman, Superman, Liga da Justiça e muito mais, nos privilegiou com sua bela interpretação sobre os personagens da DC Comics.

Nos 73 minutos do longa metragem, a origem de Diana, a Princesa da Amazonas, é contada de forma moderna e arrojada, seja na Ilha Paraíso ou em Nova York – adaptando a dona do Laço da Verdade a linguagem dinâmica das narrativas do século XXI. Uma visão “ultimate” e plausível da personagem, com muita ação em lutas intensas e bem coreografadas envoltas em doses sagazes de “mitologia selvagem” (minha forma de referir aos minotauros, ciclopes e demais guerreiros ancestrais que combatem as forças do bem) numa trama bem amarrada.

Em verdade, não seria nada ruim se uma versão “live” seguisse a mesma linha para uma possível versão da personagem para a Sétima Arte (acrescento que se os excelentes quadrinhos dos Supremos, da concorrente da Marvel Comics, seguem essa mesma linha realista, o filme de Diana está no caminho certo, pois o final me lembrou em muito a sequência de ação do final do volume 2, em que os exércitos de Asgard vêm a Terra lutar contra as força do deus trapaceiro).

Uma presença indispensável é a da dubladora Priscila Amorin, que faz a voz de Diana no desenho da Liga da Justiça (e que inclusive dirigiu a versão brasileira do referido filme). Nesse sentido, foi gratificante “ouvir” Ricardo Shnetzer atribuir seu talento de veterano mais uma vez a Ares, o deus da guerra (principal inimigo da Amazona na trama). Ettore Zoim, dublador de Bruce Wayne em Batman Cavaleiro das Trevas, também repetiu sua voz como o piloto Steve Trevor, assim como havia feito na Liga, nos episódios que enfrentam os planos de Vandal Savage pela primeira vez. Júlio Chaves, voz do Mel Gibson desde o final dos anos 1980, interpretou um Hades malicioso e astuto – Em termos de caracterização, este é sem dúvidas meu personagem predileto no desenho, pois, observem, o senhor dos mortos é um praticante voluntarioso e notório dos pecados capitais.

Os extras incluem um micro documentário sobre a personagem criada por Willian Moulton Marston em 1941 (que curiosamente é também o criador do Detector de Mentiras) com a participação dos produtores Bruce Timm, da diretora do elenco de vozes originais Andrea Romano, dos atores (uma salva especial para a bela Rosario Dawson, voz de Ártemis) e Dan Didio, editor chefe dos quadrinhos DC.

Em meio à “páginas de arquivo” que ilustram os comentários, há uma cena mostrando Diana participando do Torneio que elegeria a Mulher Maravilha. A cena mostra uma página da revista da década de 1940, com Diana de saia verde, máscara (para ocultar de sua ciumenta mãe, a rainha Hipólita, sua participação no torneio), e a curiosa placa com números que identificava cada Amazona participante da competição (e foi justamente essa parte dos extras que me motivou a fazer o desenho acima).

Mulher Maravilha
Titulo Original: Wonder Woman
Diretor: Lauren Montgomery
Ano de Lançamento: 2009
Gênero: Animação
Duração: 73 minutos

Trailer:

Dennis RodrigoquadrinhosLauren Montgomery,mulher maravilha,Wonder WomanEm 2009, o primeiro longa-metragem estrelado exclusivamente pela Mulher Maravilha foi lançado em DVD. Trata-se de mais uma bela abordagem do Universo DC conduzida com maestria pela equipe do mestre Bruce Timm, responsável pelas séries do Batman, Superman, Liga da Justiça e muito mais, nos privilegiou com sua bela...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe