revolucao_1932_hqs

Livro sobre a Revolução Constitucionalista foi produzido pela Imprensa Oficial, mantida pelo Estado de SP

Visto no Blog dos Quadrinhos – por Paulo Ramos

Ainda há de se dar tempo ao tempo para entender todo o impacto que o Twitter está causando na forma de acesso à informação.
Mas já se percebe pelo menos uma mudança provocada pela rede relacionamentos: ela facilita o contato com opiniões de pessoas de difícil acesso, inclusive para a imprensa.

Personalidades, empresários, políticos têm aderido ao novo sistema virtual. Um dos adeptos é o governador de São Paulo, José Serra. Ou @joseserra_, como ele aparece no Twitter.

E foi lá que ele twittou, às 4h15 da madrugada do último dia 14, esta frase: “Ótima a HQ sobre a Revolução de 32, do cartunista Maurício Pestana. Saiu pela Imprensa Oficial de SP, que faz bom trabalho na área cultural”.

A frase – com o limite de 140 caracteres, exigência do Twitter – fazia menção ao álbum “Revolução Constitucionalista de 1932 em Quadrinhos”, lançado neste mês (R$ 12).

O estranhamento do elogio é porque ele destoa do que o mesmo governador disse no começo de maio sobre o livro “Dez na Área, Um na Banheira e Ninguém no Gol”.

Só relembrando: o trabalho, feito por vários autores nacionais, foi comprado pelo governo do Estado para ser levado a estudantes na faixa dos nove anos. A obra é para adultos.

O caso foi noticiado pela imprensa e, imediatamente, começou um discurso de desqualificação da obra. Sobre ela, Serra disse que era de muito mau gosto, horrível, inclusive os desenhos.

Uma opinião tão oposta no Twitter instiga uma investigação mais detalhada sobre a obra, até para se ter um parâmetro mais crítico sobre como o governador vê os quadrinhos.

Vendo a obra, percebe-se que não se trata de um elogio, mas de um autoelogio.
O álbum – como Serra registra – é da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, mantida pelo governo.
Os créditos finais do livro trazem, inclusive, o nome de Serra, na qualidade de governador. Isso ele não registra no Twitter.

Na página 23, um desenho do ex-governador do Estado Mário Covas, do PSDB, mesmo partido de Serra, reforça o tom elogioso. Foi Covas quem tornou a data feriado estadual.
A impressão que fica é que a menção à obra em quadrinhos não seja gratuita. Serra, no ápice do caso Dez na Área, recebeu uma onda de mensagens de repúdio via Twitter.

O elogio seria uma forma de ecoar as críticas em sentido contrário. Mais ainda. Segundo o site do governo, o livro vai ser usado pela rede estadual de ensino.

Mesmo com o nome do governador aparecendo no expediente em ano pré-eleitoral. E Serra, não custa registrar, é pré-candidato à sucessão de Luiz Inácio Lula da Silva.

É importante, no entanto, separar esta análise da obra em si, escrita e desenhada por Maurício Pestana. Ele faz exatamente aquilo a que se propõe o livro.
A proposta é explicar, de forma bem didática, o que foi a Revolução Constitucionalista de 1932, que contou com a participação armada dos paulistas contra tropas federais.

Para ajudar no tom explicativo, Pestana usa duas crianças. Por meio do diálogo delas é que são reconstruídos os eventos históricos.

O autor se baseou em fotos da época para criar as imagens de parte dos quadrinhos. E tomou o cuidado de incluir o papel dos negros na revolução, algo geralmente esquecido.

Visto no Blog dos Quadrinhos – por Paulo Ramos

Renato LebeauquadrinhosImprensa Oficial,josé Serra,Maurício Pestana,Mário Covas,quadrinhos,Revolução ConstitucionalistaLivro sobre a Revolução Constitucionalista foi produzido pela Imprensa Oficial, mantida pelo Estado de SP Visto no Blog dos Quadrinhos – por Paulo Ramos Ainda há de se dar tempo ao tempo para entender todo o impacto que o Twitter está causando na forma de acesso à informação. Mas já se percebe...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe