Heróis Nacionais por Samuel Bono

Excelente e com certeza merece ser registardo e divulgado por isso ele é o “texto interessante da sexta-feira”.

Lembrando que qualquer um pode enviar um texto falando sobre HQs ou algum assunto derivado, que às sextas-feiras nós aqui do Impulso HQ divulgamos.

Abaixo está um texto que durante nossas buscas pela internet foi encontrado e não só ele está no site Continuum como outras notícias que envolvem o universo das HQs, não deixem de conferir após a leitura do texto.

Visto no Projeto Continuum

Super-Herói é um conceito de entretenimento inapropriado e indesejado em nosso país decorrente da pouca adequação de seu gênero ao contexto cultural e social em que vivemos!

Esse seria o fator que manteria afastado o brasileiro desse tipo de literatura, tornaria impraticável a veinculação de produtos derivados, ou mesmo qualquer interesse na abordagem do tema em outras mídias, como filmes e desenhos animados!

Essa argumentação é sustentada por muitos na explicação do por que dos super-heróis nacionais não terem tido o êxito alcançado em outros países!

É bastante evidente que tal ponto de vista não possui sustentação com a realidade, uma vez que sempre tivemos títulos do gênero sendo vinculados por diversas editoras ao longo das últimas décadas, filmes derivados com grande aceitação de público, atrações em programas infantis que destacavam desenhos de personagens super-heróicos, consumo de camisas, lancheiras, brinquedos, material escolar, temas para festas infantis etc.

Claro que tudo isso com o uso de imagens de personagens estrangeiros, que já possuem grande apelo comercial e foram de certa maneira incorporados a cultura ocidental!

Mesmo frente a essa “invasão” estrangeira (em um mundo globalizado como o nosso tal expressão carece de credibilidade), é inegável a existência de um consumo desse produto, que para alguns possui tão pouca adequação ao contexto cultural e social em que vivemos!

Ora, se sua incidência conceitual é tão alheia aos nossos interesses, porquê chegamos a preferir e consumir o produto essencialmente alienígena ao nosso contexto a escolher aquele que procura guardar alguma correlação com a nossa identidade nacional?

Não estou aqui querendo incitar a postura, já bastante difundida por alguns, de se ter ojeriza, aversão a produção estrangeira!! Sou completamente contrário a qualquer tipo de manifestação xenófoba!

A meu ver, o insucesso dos super-heróis nacionais pactua da mesma problemática que configura os quadrinhos nacionais, ou seja, desprovido de um mercado significativo e desguarnecido de prestígio perante a população!

O problema dos super-heróis nacionais se confunde com o dos quadrinhos como um todo em nosso país, e muito provavelmente a origem dessa situação para ambos é a mesma!

Em minha opinião tudo decorre do empenho, ou falta deste, daqueles que desenvolvem seus trabalhos nesse seguimento!

Se faz necessário investir em aperfeiçoamento para implementar um produto mais satisfatório aos olhos do consumidor de modo a conscientizá-lo e condicioná-lo a optar como válida a aceitação de seu produto!!

No caso dos super-heróis nacionais talvez o que mais se note é uma interdependência muito forte com o estereótipo do super-herói clássico americano, o que até certo ponto é natural e aceitável, principalmente em um primeiro momento!

É comum o criador não se dá sequer ao trabalho de polir melhor sua criação, apresentando-a ainda excessivamente enraizada nas influências conceituais e visuais que se banhou!

É bem verdade que muitas vezes esse processo de particularização de sua obra se dá com o passar do tempo e amadurecimento artístico do criador, que à medida que evolui como tal incorpora identidade ao seu trabalho e adéqua sua criação para essa nova realidade! Infelizmente essa não é uma máxima que incide para todos!

Defendo que, assim como em qualquer outro gênero, certas linhas gerais devem ser respeitadas, até para guardar certa correlação com a temática e conceitos inerentes do gênero!

Uma história de faroeste deve contar com uma série de elementos razoavelmente comuns do gênero de modo a que possams identificá-la como tal!

O mesmo vale para uma história de super-heróis!! Mas é imprecindível que aquilo que fuja desse conjunto de fatores indentificadores básicos possíveis, seja trabalhado de forma a ser melhor direcionado a audiência pretendida!

Se os super-heróis nacionais não apresentarem a sua própria identidade como tais, e ainda por cima não contarem com tramas envolventes e eletrizantes, num contexto como o nosso, que consome sim muita coisa do gênero super-heróis, o cosumidor irá continuar preferindo o produto melhor de fora, mesmo este enraigado de uma identidade que não a nossa!!

Claro que falar é fácil, e analisar o problema é bem diferente de apontar uma solução para ele!! Tudo o que posso falar é da minha experiência no assunto!

Aqueles que já conhecem melhor o Projeto Continuum sabem bem que meus principais personagens são Os Invictos, um grupo de super-heróis como muitos outros!

Bem, na verdade para mim, e talvez para aqueles que já os conhecem um pouco mais, Os Invictos não são tão comuns assim!

De qualquer maneira, eles surgiram como muitos outros heróis nacionais, decorrentes do fascínio de seu criador pelo gênero que nos é apresentado em sua maioria por meio da produção americana!

Para ser mais preciso, quando os concebi eles sequer eram brasileiros!! Isso mesmo, eram todos americanos, pertencentes a uma grande metrópole estadunidense!! Essa minha escolha era decorrente de meu conhecimento da argumentação negativa que abriu esse texto e por não conhecer outros heróis nacionais contemporâneos a minha criação, uma vez que na época a internet ainda não proporcionava acesso a todo esse contingente de heróis nacionais que facilmente podemos conhecer hoje!

Com esses dois fatores, somado ao fato de ainda ser um tanto jovem e não tão amadurecido como hoje, me parecia normal estabelecer que meus heróis fossem de um país que não o meu, inclusive fazendo uso de nomes próprios americanos para servir de identidade para eles!

Afinal tudo o que eu queria era que eles fossem aceitos e lidos, mas não por americanos, mas sim por nós mesmos, brasileiros! Oras, se era comum se ouvir que super-heróis nacionais são uma piada, que seria ridículo se vislumbrar lutas de seres super-poderosos em nossas ruas, nada mais lógico que se optar por criar heróis estrangeiros para que assim sejam aceitos pelo seu povo, tal qual seu povo já acolhe os super-heróis estrangeiros!

Mas essa idéia nunca me satisfez por completo, e quando da demonstração de insatisfação de um colega com a realidade brasileira, isso me levou a rever minha postura como criador de super-heróis!

Um conhecido na época relatou que pretendia abandonar o Brasil por considerar insustentável a realidade de nosso país! Fiquei envergonhado com essa constatação e bastante triste também!

Ainda sem conhecer outros heróis nacionais significativos, percebi que meus personagens deveriam ser brasileiros, pois os heróis, mesmo na ficção, tem o dever de proporcionar esperança e coisas boas nas pessoas!

E foi assim que resolvi realocar Os Invictos para o Brasil!! Mas um problema persistia, como torná-los aceitáveis em uma realidade em que era normal se vincular heróis nacionais a piada!

Invicta por Nel Angeiras

Tentando driblar essa questão, desenvolvi todo um estratagema para criar o ambiente necessário que possibilita-se a aceitação de super-heróis no Brasil!

Dessa forma concebi uma realidade alternativa onde o Brasil fosse a maior potência mudial vigente, onde o povo brasieiro gozasse de suas muitas qualidades, agora numa atmosfera mais satisfatória e justa, evidentemente sem perder completamente um paralelo com a realidade que temos efetivamente hoje ou mesmo anulando algumas posturas não tão nobre de nosso povo!

Apenas estabeleci uma estrutura que comportasse um Universo de super-heróis com o Brasil tendo um lugar de destaque!

Para tanto elaborei toda uma série de momentos históricos fictícios que corroborassem com a explicação para o porquê do Brasil vir a se tornar a maior potência do mundo!

Infelizmente tive de fazer uso de elementos ficcionais que envolviam uma grande invasão alienígena para tanto, mas não deixei de incorporar nessa construção a importância decisiva do espírito do povo brasileiro para o estabelecimento desse novo contexto figurado pelo nosso país!

É bem provável que à época da elaboração desse contexto, se eu já tivesse travado conhecimento com personagens como o Crânio, de Francinildo Sena, Conversor, de Sandro Marcelo, Topman, de Lorde Lobo, Os Vigilantes, de Marcos Gratão, dentre muitos outros, muito provavelmente eu não teria me dado ao trabalho de inventar toda uma realidade alternativa, procurando inserir logo Os Invictos na realidade brasileira com a conhecemos hoje!

Mas isso não me parecia possível de se fazer, caso eu quisesse que meus personagens viessem a ser aceitos, em decorrência de tudo aquilo que eu conhecia na época!

Por outro lado a idéia de uma realidade alternativa se mostra como “um fator diferencial que enriquece o contexto dos personagens, permitindo explorar nosso país de maneira que a realidade atual não permitiria”, como bem diz meu amigo Daniel Siqueira, conferindo um caráter de ficção científica tendo a realidade brasileira como um dos focos!

Crânio

Conversor

Os Vigilantes

De qualquer modo, procurei conferir uma identidade a eles, aos Invictos, e se hoje eles ainda guardam muitas semelhanças com aquilo que sempre me inspirou e me fez gostar do gênero de super-heróis, tal qual fui apresentado pelos personagens americanos, sei que no meu amadurecimento como criador irei cada vez mais individualizá-los e buscar atender as necessidades de levá-los cada vez mais ao gosto do consumidor brasileiro!! Sei que ainda estou longe disso, mas é para isso que caminho!

Acredito que essa é a chave!

Visto no Projeto Continuum

Renato LebeauHeróis Nacionais,Samuel BonoHeróis Nacionais por Samuel Bono Excelente e com certeza merece ser registardo e divulgado por isso ele é o 'texto interessante da sexta-feira'. Lembrando que qualquer um pode enviar um texto falando sobre HQs ou algum assunto derivado, que às sextas-feiras nós aqui do Impulso HQ divulgamos. Abaixo está um texto que...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe