Por Alex Doeppre*

Com a boa resposta do público às reedições do Eternauta, Ediciones Record chamou Héctor G. Oesterheld e Solano López para uma continuação. Em dezembro de 1976, El Eternauta II começou a ser publicado na revista Skorpio.

A história começa ao final da primeira parte, mas um salto temporal transporta os personagens para o século XXIII. Numa Buenos Aires arrasada, os homens sobrevivem em estado primitivo, escravizados pelos invasores. Juan Salvo se converte no líder dos sobreviventes, organizando-os militarmente para resistir aos opressores.

Devido às suas muitas interações com o continum espaço-temporal, agora ele tem poderes especiais: pressente a presença de inimigos, pode aumentar sua força, regular suas funções vitais e entender o mecanismo de artefatos apenas olhando para eles. É um mutante, um iluminado a quem o povo subjugado seguirá.

Em 1976, a Argentina vivia novamente sob uma ditadura, autodenominada Processo de Reorganização Nacional, instalada no país após golpe de estado executado pelos militares em março daquele ano. Oesterheld militava no grupo guerrilheiro Montoneros.

Transpôs para a HQ a sua militância, o que desagradou ao desenhista Solano López. Diz este: “Me chamaram para trabalhar na reedição e na continuação. Haviam chamado Héctor, com quem perdi contato após meus anos na Europa. Aí me inteirei de que ele andava numa situação delicada por causa de sua militância nos Montoneros e tudo mais. Todo o trabalho da segunda parte ele fez de forma praticamente clandestina, aparecendo secretamente na editora para entregar os roteiros ou enviando-os por terceiros. Eu o vi uma ou duas vezes mais e a última foi quando protestei porque ele se excedia no conteúdo militante e subversivo. Não que eu tivesse simpatia pelos militares ou ao seu sistema, mas sim porque o que ele propunha, a mensagem dos Montoneros, tampouco era de meu agrado. E o personagem se desvirtuou. Eu já não o sentia. Me incomodava fazê-lo porque o personagem me escapava e fazia e dizia coisas que não se encaixavam”.

Em abril de 1977, Oesterheld desapareceu. El Eternauta II seguiu sendo publicado até sua conclusão e vendeu muito bem. Solano López manifestou dúvidas se Oesterheld escreveu a HQ até o fim ou se outra pessoa assumiu seu lugar.

*Designer gráfico, desenhista e fanzineiro
Contato: [email protected]
Ilustração: Solano López

Denilson ReisindependentesEl Eternauta,Héctor G. Oesterheld,Solano LópezPor Alex Doeppre* Com a boa resposta do público às reedições do Eternauta, Ediciones Record chamou Héctor G. Oesterheld e Solano López para uma continuação. Em dezembro de 1976, El Eternauta II começou a ser publicado na revista Skorpio. A história começa ao final da primeira parte, mas um salto temporal...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe