Existe um problema em lançar o seu melhor produto primeiro, isso faz com que as expectativas para o que vem depois sejam muito mais elevadas do que seriam se o primeiro projeto de um criador fosse apenas mediano. ‘Marvel’s Iron Fist’ é a quinta série Marvel/Netflix e atualmente está sendo criticada por um número alto de pessoas.

A série está sendo tachada como primeira falha real da Marvel e uma das piores coisas que a Netflix já fez. Esta não é a primeira vez que a Marvel se coloca nesta posição, Quando ‘Vingadores: A Era de Ultron’ saiu, a expectativa era superar o primeiro ‘Vingadores’, que beirou a perfeição no mundo criado pela Marvel/Disney. Este é o mesmo problema que a Marvel terá com ‘Guardiões da Galáxia Vol. 2’.

Marvel e Netflix já tiveram sua série perfeita e que foi ‘Demolidor’. As duas séries seguintes, ‘Jessica Jones’ e ‘Luke Cage’ não foram capazes de alcançar as expectativas já bem altas devido à série do demônio de Hell’s Kitchen. Não existe uma maneira de não julgar essas séries umas contra as outras porque todas elas estão conectadas, então não havia como evitar essa situação.

‘Punho de Ferro’ tem problemas e muitos, o ritmo e o tom são um pouco confusos e a série leva muito tempo para de fato se tornar interessante. É a primeira série dessa parceria onde o primeiro episódio muito se parece com um piloto de fato, no sentido de que episódio piloto é geralmente uma bagunça, porque as séries ainda estão encontrando seu fundamento.

Foi também a primeira vez que os vários diretores realmente prejudicaram a série ao invés de ajudá-la. Talvez tenha sido culpa do showrunner Scott Buck, que não teve pulso firme sobre o projeto inteiro, mas muitas vezes me pareceu que foram jogados vários pedaços da série que acabaram por nunca ter uma explicação propriamente dita.

A coreografia de luta é ruim, para um personagem que nos quadrinhos luta Kung-Fu como ninguém, era comum esperar mais do que foi apresentado, isso se resume à produção apressada. Em entrevista Finn Jones admitiu que ele quase não tinha tempo para coreografar as várias cenas de luta. “Eu estava ensaiando aquelas cenas de luta apenas 15 minutos antes de filmarmos, porque essa era a programação”, disse Jones.

Todos esses problemas de lado, há muito para gostar dentro da série. Enquanto muitas pessoas têm tido problemas com a personalidade de Jones como Danny Rand, a história do personagem fez sentido. Este é um personagem que é a própria definição de “atrofiado”, ele não teve uma infância depois dos dez anos e foi treinado para manter todas as suas emoções profundamente enterradas.

As melhores partes da série são quando Danny perde as nuances sociais básicas que são apenas estranho o suficiente para tornar o público desconfortável enquanto assiste. Ele é volátil, com raiva e inclinado a buscar vingança, chegando ao ponto de o afetar fisicamente, porque é isso que acontece quando uma emoção, qualquer emoção, consome você. Outros se queixaram de que Rand não é inteiramente simpático, mas nenhum dos vários heróis da Marvel são.

Outra crítica feita à série é que o foco é muito no lado corporativo da vida de Danny e como ele quer recuperar sua empresa. Embora a ideia de assistir pessoas dirigindo uma empresa não é a coisa mais incrível de se assistir (e talvez a execução não foi tão boa como deveria ter sido) várias coisas envolvendo a Rand Enterprises, Ward (Tom Pelphrey) e Joy Meachum (Jessica Stroup) não eram sobre um bilionário tendo seu privilégio de volta, mas um homem tentando recuperar seu nome e o de seu pai.

Quando Danny recebe a oferta de 100 milhões de dólares para abrir mão da parte da empresa que pertence a ele e mudar seu nome, ele diz que não é sobre o dinheiro. Esta série, em muitos aspectos, é sobre família e legado. É sobre o legado de Danny para com seus pais e seu nome. É sobre o relacionamento de Ward e Joy com seu pai e como eles estão conectados à Rand Enterprises, apesar de não ter seus nomes no prédio. Essa série é sobre a família mais do que qualquer série antes dela, e às vezes os conflitos interpessoais não são o que as pessoas querem nas suas histórias de super-heróis.

Os Meachums são criticados por ficarem muito tempo na tela, mas querendo ou não eles estão ligados à história de Danny de uma maneira muito importante. Danny chega em Nova York à procura de sua família, mas não percebe que Ward e Joy nunca foram sua família. Eram seus amigos, mas isso não faz deles seus irmãos, e ele parece não entender isso imediatamente.

Ward tem um dos arcos mais interessantes da série com uma bela interpretação de Tom Pelphrey. O Ward que encontramos no início não é tão diferente do Ward no final, mas à medida que aprendemos mais sobre ele, aprendemos sobre suas motivações porque ele age daquela maneira. Joy, interpretada por Jessica Stroup, também tem um arco muito bom, suas motivações até o final são interessantes e serão algo que valerá a pena explorar na segunda temporada, se houver uma.

Colleen Wing, interpretada por Jessica Henwick, pra mim foi o destaque do show. Ela é uma personagem forte e bonita que realmente só tem que ser salva uma vez. Os momentos em que ela se junta com Claire (Rosario Dawson) são alguns dos melhores momentos do show. O ‘twist’ da personagem não é o melhor, mas ela se recupera muito bem dele, por isso não prejudica o nosso apego ao personagem. Sua química com Danny é crível, e apesar de ser um interesse amoroso, nunca pare que ela está lá apenas para pra isso e mais nada.

“Punho de Ferro” é sem dúvida a produção mais fraca da parceria entre Marvel e Netflix, mas não é um desastre completo. Tem coisas boas a se aproveitar na série e confesso que estou ansioso para ver Danny Rand nos ‘Defensores’. Eu só espero que toda essa crítica negativa seja o chamado que a Marvel precisa para começar a rever alguns conceitos, que mesmo com a audiência assistindo e aumentando cada vez mais, não significa que todos estão gostando do material apresentado.

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2017/03/punho-de-ferro.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2017/03/punho-de-ferro-150x150.jpgLucas ManoelcinemaNós assistimosFinn Jones,Jessica Henwick,Jessica Stroup,Marvel,Netflix,Punho de Ferro,Rosario Dawson,Scott Buck,Tom PelphreyExiste um problema em lançar o seu melhor produto primeiro, isso faz com que as expectativas para o que vem depois sejam muito mais elevadas do que seriam se o primeiro projeto de um criador fosse apenas mediano. 'Marvel's Iron Fist' é a quinta série Marvel/Netflix e atualmente está...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe