E não é que o filme da Mulher-Maravilha empolga? Confesso que depois de todas as discussões dos SJW (Social Justice Warrior) da internet eu fui com um pé atrás, mas era de graça e eu reencontraria o povo das cabines, o que sempre gera cenas divertidas. E bem, filme em IMAX é um convite irrecusável, seja qual for. No entanto, paguei pela boca.

Assisti um dos raros filmes em que todos na sala aplaudiram. Mulher-Maravilha é leve, envolvente e capaz de agradar a todos os públicos, seja você homem, mulher, criança ou fã da Marvel.

E sim, tem piadinhas!

Elas não são à base da história como nos filmes da concorrente que às vezes exagera, mas funcionam bem. São piadas universais baseadas nas diferenças culturais. Sendo uma estranha numa terra estranha, Diana não está acostumada a todos os detalhes do mundo dos homens, e coube ao respeitoso, porém acima da média, Steve Trevor introduzi-la a este novo mundo.

Não dá para saber se o tom final do filme é um efeito das regravações feitas após a entrada de Geoff Johns (creditado como co-roteirista) ou se boa parte disso já estava no material entregue pelo roteirista Allan Heinberg e pela diretora Patty Jenkins. Mas quem reclama?

Até as cenas em câmera lenta Zack Snyderiana funcionaram bem. Deram um gás para as lutas bem coreografadas e ficaram lindas em 3D no IMAX. Aliás, a fotografia baseada nas cores emblemáticas da personagem também foi uma grande bola dentro. O resultado é o primeiro filme com identidade envolvendo personagens da DC Comics.

Sim, temos uma super-heroína completamente Over Power e porradeira capaz de saltar longas distâncias e de arrebentar andares inteiros com um soco, mas ainda assim, o filme é sobre a guerra e seus efeitos nos seres humanos vistos sob a ótica de uma heroína quase ingênua que leva a esperança por onde passa.

Diana (Gal Gadot) é uma princesa amazona destinada à grandeza que desde criança queria lutar como as outras amazonas, mas foi protegida pela mãe que temia que Ares a achasse devido a algo que só é explicado pelo vilão durante seu confronto no último ato. Por causa desse segredo sua tia Antiope (Robin Wright) sempre dizia: “Você é mais forte que isso, Diana”.

A amazona salva Steve Trevor (Chris Pine) e desafia sua mãe Hipólita (Connie Nielsen) ao retornar com ele ao mundo do patriarcado. A base é a mesma desde os anos 1940, entretanto, houve mudanças que atualizaram a história para que ela se tornasse mais atraente para o público atual e para que temas polêmicos como o Nazismo não interferissem na classificação etária.

Os alemães continuam lá, mas foram transferidos para uma guerra mais branda e manipulados por Ares, o Deus da Guerra, que sussurrou nos ouvidos da Doutora Veneno (Elena Anaya) e do General Ludendorff (Danny Huston) que estão envolvidos na criação de um novo tipo de veneno cujos efeitos lembram as experiências com cloro feitas pelos nazistas durante a segunda guerra.

Além dos protagonistas e dos antagonistas principais, temos David Thewlis como Sir Patrick um dos chefes de Trevor, um diplomata que pretende negociar um armistício, mas ninguém lhe dá ouvidos, Etta Candy (Lucy Davis), a secretária de Trevor que ajuda Diana a se tornar uma mulher contemporânea e o quarteto de espiões que os acompanham Sameer (Saïd Taghmaoui), o mestre dos disfarces, Charlie (Ewen Bremner), um franco-atirador com estresse pós traumático e Chief (Eugene Brave Rock), um índio que leva as pessoas pelas linhas de frente.

Um grupo atípico, unido pelo dinheiro, mas que é mantido pela presença de Diana, que aos poucos vai inspirando a todos. Na verdade, em muitos momentos ela salva a todos ou assume o protagonismo das ações por ser um exército de uma mulher só.

Mais de uma vez o filme lembrou que ela está praticamente no mesmo nível de poder do Superman. Ela levanta tanques, quebra paredes com um soco, dá altos saltos e até voa. Aliás, apesar de terem dito que “Is She With You” (tema da personagem em Batman Vs. Superman) não estaria no filme, mas ele não só toca na primeira cena em que Diana finalmente se torna a Mulher-Maravilha como permeia toda a batalha dela contra o general russo.

O filme termina com uma luta empoderada entre a Diana e Ares, onde ela descobre sua natureza e não só entende como assume seu papel no plano geral. Apesar de o CGI ser um pouco sofrido, a cena empolga. Apesar disso os efeitos não decepcionam.

O híbrido das visões da Patty Jenkins e do Zack Snyder funcionou bem. O filme entregou bem mais do que eu esperava e apesar de não ter sido panfletário, os justiceiros sociais sairão do cinema com um sorrisinho no canto da boca. Pelo menos eu saí.

Quer uma dica, querido impulsivo leitor? Corra até o cinema 3D mais próximo e garanta seu ingresso; e se tiver um IMAX na sua cidade gaste um pouco mais e tenha a mesma experiência que tive.

Trailer:

Mulher-Maravilha
Direção: Patty Jenkins
Roteiro: Allan Heinberg, Zack Snyder, Jason Fuchs e Geoff Johns
Diretor de fotografia: Matthew Jensen
Trilha Sonora: Rupert Gregson-Williams
Elenco: Gal Gadot, Robin Wright, David Thewlis, Connie Nielsen, Chris Pine, Elena Anaya, Lucy Davis, Ewen Bremner, Doutzen Kroes, Danny Huston
Duração: 141 minutos
Produção: Warner Bros., DC Entertainment, Atlas Entertainment e Cruel & Unusual Films
Distribuidor Nacional: Warner Bros.

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2017/05/mulher-maravilha.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2017/05/mulher-maravilha-150x150.jpgAlexandre DassumpcaocinemaNós assistimosal Gadot,Allan Heinberg,Atlas Entertainment,Chris Pine,Connie Nielsen,Danny Huston,David Thewlis,DC Entertainment,Doutzen Kroes,Elena Anaya,Ewen Bremner,Geoff Johns,Jason Fuchs,Lucy Davis,Matthew Jensen,mulher maravilha,Patty Jenkins,Robin Wright,Rupert Gregson-Williams,Warner Bros,Zack SnyderE não é que o filme da Mulher-Maravilha empolga? Confesso que depois de todas as discussões dos SJW (Social Justice Warrior) da internet eu fui com um pé atrás, mas era de graça e eu reencontraria o povo das cabines, o que sempre gera cenas divertidas. E bem, filme...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe