Estreou no Brasil, no último dia 28 de junho, a superprodução Guerra Mundial Z do diretor Marc Forster, que tem em seu currículo filmes como Redenção, Quantum of Solace, Caçador de Pipas e Mais Estranho que a Ficção. O longa-metragem de ação, terror e suspense contou com a produção e atuação de Brad Pitt.

O filme já deu muito que falar antes mesmo de sua estreia tanto pelas inúmeras brigas entre Foster e Pitt, que chegou a tal ponto que os dois pararem de se falar e foi necessário um mediador durante as filmagens, quanto pelos U$ 200 milhões gastos na produção e pós-produção do filme (o que o tornou o mais caro no ramo dos mortos-vivos!).

O longa-metragem é uma adaptação do livro homônimo de 2006, de Max Brooks, que por sua vez é uma continuação do bem sucedido “O Guia de sobrevivência a Zumbis”, e conta a história, em primeira pessoa, de um integrante da comissão da ONU encarregado de elaborar o relatório sobre o assustador conflito que quase aniquilou o planeta. Trata-se do Apocalipse Zumbi.

Já no filme Gerry Lane (Pitt) é um investigador aposentado da ONU, convocado a retornar ao trabalho meio ao caos que se instalou em todo o mundo por conta de um vírus que transforma as pessoas em “zumbis”. Com a ajuda das forças armadas, ele vai de país em país tentando descobrir uma forma de conter a pandemia.

O roteiro (que passou pelas mãos de diversos escritores) não é nada surpreendente. As cenas em que a doença se espalha logo no início do filme são tão incrédulas, ora pela rapidez com que acontecem, ora pela sagacidade extrema das personagens, especialmente em momentos de fuga, quanto às andanças de Gerry pelo mundo a procura de um antídoto/remédio/cura/contenção da doença. As viagens pelos países acontecem com tanta facilidade, que parece que a personagem foi apenas ao mercado.

Guerra Mundial Z acaba deixando a cargo de hordas de zumbis alguma possível explicação sobre a origem da doença e/ou sua cura, e se perde num ritmo frenético de um filme de ação. O que o torna um tanto vazio diante da complexidade de tal pandemia, de suas consequências e possíveis atitudes a serem tomadas. Diga-se de passagem, os zumbis do filme, contrariando os já “estereotipados” zumbis lentos do cinema, parecem maratonistas da São Silvestre.

O desfecho do filme é decepcionante por ser um tanto preguiçoso, reza a lenda que muitas cenas foram deixadas de fora na pós produção, o que pode ter “ajudado” no final fraco. Além disso, segundo a imprensa especializada, Guerra Mundial Z ganhará mais duas continuações, seguindo a tendência do cinema de não fazer somente um filme meia boca, mas três.

Vale a pena assistir? Sim. Por quê? Visualmente o filme é realmente muito bom e há momentos de suspense que fazem sim você agarrar o braço da poltrona (ou de quem estiver ao seu lado) um pouco mais forte.

Trailer:


Guerra Mundial Z

Direção: Marc Forster
Roteiro: Matthew Michael Carnahan, Drew Goddard, Damon Lindelof
Elenco: Brad Pitt, Eric West, Matthew Fox, David Morse, James Badge Dale, Mireille Enos, David Andrews, Elyes Gabel, Trevor White, Katrina Vasilieva

Roberta CadenascinemaNós assistimosBrad Pitt,Damon Lindelof,David Andrews,David Morse,Drew Goddard,Elyes Gabel,Eric West,Guerra Mundial Z,James Badge Dale,Katrina Vasilieva,Marc Forster,Matthew Fox,Matthew Michael Carnahan,Max Brooks,Mireille Enos,Trevor WhiteEstreou no Brasil, no último dia 28 de junho, a superprodução Guerra Mundial Z do diretor Marc Forster, que tem em seu currículo filmes como Redenção, Quantum of Solace, Caçador de Pipas e Mais Estranho que a Ficção. O longa-metragem de ação, terror e suspense contou com a produção...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe