Tim Burton sempre se mostrou um diretor com uma criatividade inigualável com produções apresentando uma estética gótica que vão desde histórias de amor à grandes catástrofes no final. Infelizmente, de um tempo pra cá, Burton deu uma relaxada, fazendo filmes medianos/ruins e só não afirmo que são péssimos porque cada um tem sua particularidade e, pelo menos, uma cena que fica em nossas cabeças.

Dumbo, a mais nova investida de Burton chega aos cinemas e, como esperado, com alguma desconfiança pelos fãs. É Tim Burton, é um clássico da animação e é Disney. Uma soma que tem tudo para dar certo e também para dar errado! E como “plus” temos o fato de ser uma produção live action! Para os desconfiados fica o recado: o filme é muito bom!

Produzido pela Walt Disney Pictures e Tim Burton Productions com roteiro de Ehren Kruger (Transformers: A Era da Extinção, Sangue e Chocolate, Os Irmãos Grimm), a aventura e fantasia é a versão com atores da clássica animação homônima de 1941, que foi baseada no livro escrito por Helen Aberson e ilustrado por Harold Pearl.

O primeiro ato apresenta o Circo Medici, comandado pelo excêntrico Max Medici (Danny DeVito). Como é de se esperar, Burton capricha na caracterização de seus atores, forçando os adultos a agirem de forma caricata. Isso não é nenhum demérito, já que serve para narrativa. A evolução da família protagonista e seus coadjuvantes são executados de forma competente, nada de extraordinário, mas funciona.

O que gera certo incômodo é a virada comportamental de uma personagem que é totalmente previsível, e o fato da da nova condição de Holt Farrier (Colin Farrel) não trazer nenhuma dificuldade em sua vida. De fato, não seria problema se em algumas cenas ele apresentasse certa dificuldade. Até ficaríamos mais preocupados com o personagem. Já Michael Keaton encarna V.A. Vandevere, um empresário de sucesso que busca uma atração jamais vista na época, traz uma interpretação agressivamente caricata, algo corriqueiro no atual portfólio do ator.

Um dos pontos fortes do filme são as crianças Holt (Niko Parker) e (Finley Hobbins) que desempenham um ótimo papel. O fato de ainda serem puros e terem esperança não impede deles demonstrarem razão, verdade e conduta, principalmente a atriz mirim Niko Parker que transmite ternura e força, mostrando ao mundo que podemos sim fazer o certo, não importa a situação.

Em entrevistas, o cineasta disse ter aceito a direção por ter um protagonista desajustado, e isso sim é feito com maestria. O protagonista e ponto alto do filme é Dumbo, um elefantinho que nasceu com as orelhas um pouco avantajadas. Na primeira vez que o vemos causa certa estranheza, mas percebemos que essa é a mensagem, todos somos iguais e estranhos um pro outro.

Dumbo é totalmente feito em CGI. Suas cenas no chão convencem e acreditamos que tem um elefante ali, mas quando ele voa, em alguns momentos, perdemos a crença e vemos que é realmente um boneco digital, principalmente quando há alguém montado nele. Outro problema das cenas de voo é que por muitas vezes parece que elas se repetem. Isso acontece porque o diretor optou por filmá-las pelos mesmos ângulos e poses. Neste sentido, a produção poderia ter ousado mais, mostrando piruetas ainda não vistas para o personagem.

Apesar disso, é inegável que a grande força do filme está em Dumbo. Sua fofura, inocência e carisma contagiam toda a plateia. Tememos por ele e ficamos tristes com os maus tratos e abusos (ainda mais sabendo que isso acontece na vida real não só com animais). Muitas vezes sentimos um aperto no coração, principalmente, no amor que ele sente pela mãe, que juntos rendem ótimas cenas.

Um ponto muito importante é o paralelo que podemos traçar com a semelhança de Dumbo com outro personagem de Tim Burton: Edward, mãos de tesoura. Ambos são frágeis e inocentes com uma habilidade única. Humilhados à primeira vista por sua estranheza, adorados quando sua diferença, na verdade, é uma fonte de renda.

Como esperado, os cenários e figurinos são bem desenhados, lembrando muito o desenho original e a estética gótica de Burton. Uma mistura orgânico e natural em tela, assim como as composições sonoras de Danny Elfman, parceiro e amigo do diretor há anos. A trilha é mágica, emocionante e tocada sem exagero.

Impressionante ver a diferença das trilhas de Elfman nos filmes convencionais. Criações sem motivações e produzidas no automático. Agora, em filmes lúdicos, em particular um do Tim Burton, ele cria um novo tema com doçura e escuridão caminhando lado a lado, com vozes angelicais e instrumentos de terror. Incrível.

Dumbo é um filme que vai além da estética, ensinando uma lição que deve ser ouvida por todos. É o melhor filme dessa leva de remakes live action da Disney até o momento. Uma adaptação com coragem de mudar e atualizar certos pontos de vista. Obviamente não entra no hall dos melhores da carreira de Tim Burton, mas entretém e apresenta uma história comovente e bem executada. E o melhor de tudo, traz o cineasta deixando sua criatividade voar novamente.

Dumbo
Direção: Tim Burton
Roteiro: Helen Aberson, Ehren Kruger, Harold Pearl
Fotografia: Ben Davis
Trilha sonora: Danny Elfman
Elenco: Colin Farrell, Michael Keaton, Danny DeVito, Eva Green, Alan Arkin, Nico Parker, Finley Hobbins, Roshan Seth, Lars Eidinger, Deobia Oparei, Joseph Gatt, Miguel Muñoz Segura, Zenaida Alcalde, Douglas Reith, Phil Zimmerman
Produção: Walt Disney Company
Distribuição nacional: Disney / Buena Vista

Nós Assistimos: Dumbohttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2019/03/dumbo.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2019/03/dumbo-150x150.jpgLucas AssiscinemaNós assistimosAlan Arkin,Colin Farrell,Danny DeVito,Disney,Dumbo,Eva Green,Finley Hobbins,Michael Keaton,Nico Parker,Roshan Seth,Tim BurtonFacebook Twitter Instagram Youtube Tim Burton sempre se mostrou um diretor com uma criatividade inigualável com produções apresentando uma estética gótica que vão desde histórias de amor à grandes catástrofes no final. Infelizmente, de um tempo pra cá, Burton deu uma relaxada, fazendo filmes medianos/ruins e só não afirmo que são péssimos porque...O Impulso HQ é um site e canal no YouTube dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe