creedSim impulsivo leitor, nós estávamos lá exibição de Creed: Nascido para lutar durante a CCXP – Comic Con Experience – e pudemos conferir o rebento da cinessérie iniciada em Rocky, o lutador (1976). Até mais que isso, afinal, estamos falando de Adonis Johnson, Michael B. Jordan (o Tocha Humana do defenestrado Quarteto Fantástico de 2015), filho ilegítimo de Apollo Creed, primeiro adversário de Rocky Balboa (Sylvester Stallone), que acabou se tornando o melhor amigo do personagem.

Adotado por Mary Anne Creed (Phylicia Rashād) viúva de Apollo, Adonis teve uma vida de luxo que permitia tudo, menos sua grande paixão, a luta. Pelo menos não abertamente. De tempos em tempos, o jovem fugia para o México, onde participava de lutas ilegais. Sucesso em outro país, o rapaz nunca conseguiu ser treinado na mesma academia que seu pai.

Este é um filme de legado, que mostra um personagem tentando sair da sombra do pai famoso, tanto que para não ser eclipsado e criar a própria lenda, ele mantém o sobrenome Johnson. Cansado de levar uma vida incompleta, foi para a Filadélfia em busca de si mesmo e encontrou Rock (não mais Rocky), que apesar de relutante, começou a dar dicas sobre luta, até finalmente se tornar seu treinador.

creed-5Rock é um viúvo solitário que tem um restaurante italiano chamado Alex, homenagem à esposa que o acompanhou em todos os momentos importantes de sua carreira e mora sozinho, pois seu filho não suportou o peso de sua sombra e foi morar no Canadá.

Solitários e com um histórico de perdas, os dois vão aos poucos se tornando uma família. Um elo tão forte que a presença de Adonis se torna imprescindível numa importante decisão de Rock. O relacionamento dos dois personagens gera momentos emocionantes e cômicos que os tornam ainda mais humanos.

creed-4Na Filadélfia, ele conhece Bianca (Tessa Thompson), uma cantora com problemas auditivos que mora no apartamento abaixo do seu. Apesar do começo tenso, eles iniciam um romance e ela vai se tornando sua Alex, dando suporte em vários momentos importantes.

Como todo filme de legado, sempre chega o momento da passagem de bastão em que o personagem volta renascido e vitorioso. Forçado a assumir o sobrenome de seu pai para que outro lutador lucrasse com o ônus de enfrentar um Creed, ele não só aceitou como acreditou que seria capaz de vencer, mesmo quando todos discordavam.

creed-3A transição é marcada pelo calção que recebe de sua mãe adotiva, que finalmente aceita a escolha do filho. Nele, vemos os dois nomes em posições que deixam bem claro que Apollo ficou no Passado e Adonis será o futuro. Durante a luta, também vemos a passagem do bastão de Rocky para Creed, que luta usando tanto o estilo de seu pai quanto o de seu treinador.

O final marca o novo começo e ainda homenageia Rocky, o lutador. Numa emocionante e nostálgica passagem de bastão, mesmo sem fôlego para subir a icônica escadaria imortalizada em seu primeiro filme, leva seu discípulo para onde comemorou sai primeira vitória. Um final cativante para um filme que soube como nos envolver e criar uma cumplicidade com o protagonista e a forma como ele superou todos os seus dilemas para finalmente assumir seu lugar de direito.

Trailer:

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/12/creed-2.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/12/creed-2-300x300.jpgAlexandre DassumpcaocinemaNós assistimosCreed,Michael B. Jordan,Nascido para Lutar,Rocky,Sylvester Stallone,Tessa ThompsonSim impulsivo leitor, nós estávamos lá exibição de Creed: Nascido para lutar durante a CCXP – Comic Con Experience – e pudemos conferir o rebento da cinessérie iniciada em Rocky, o lutador (1976). Até mais que isso, afinal, estamos falando de Adonis Johnson, Michael B. Jordan (o Tocha Humana...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe