capitao-américa-guerra-civil-1A expectativa estava alta. A ansiedade consumindo os fãs ávidos para a chegada do dia 28 de abril. A responsabilidade em cima dos diretores, os irmãos Anthony e Joe Russo. Os olhos voltados para o futuro da Marvel nos cinemas. Tudo isso, todo esse “hype” é Capitão América – Guerra Civil.

A produção tinha muitos desafios: respeitar e aproveitar o universo que foi criado até agora nos cinemas desde 2008, ano que o primeiro filme do Homem de Ferro chegou nas telonas, continuar a história de Capitão América – Soldado Invernal (2014), ou seja, ser realmente um filme do Capitão, e sair da sombra de se tornar um filme dos Vingadores de segunda linha, apresentar personagens novas, dentre eles o popular “amigão da vizinhança” e um desconhecido rei de uma nação africana e o principal, abrir novas possibilidades e dar o ponta pé inicial à Fase 3 da Marvel nos cinemas.

capitao-américa-guerra-civil-6Grande parte da expectativa é devido ao próprio subtítulo do filme: Guerra Civil. Nos quadrinhos, um dos maiores sucessos dos anos 2.000, Mark Millar e Steve McNiven, colocaram não só o Capitão América e o Homem de Ferro um contra o outro, como “recrutaram” outros super-heróis para a sua batalha, o que causou uma grande divisão no universo Marvel, foi herói contra herói. Nos cinemas, coube aos roteiristas Christopher Markus e Stephen McFeely adaptarem as páginas da HQ em um longa que se concentra em responsabilidade e dever.

Capitão América: Guerra Civil segue a fórmula Marvel Studios, mas os irmãos Russo merecem os créditos: eles melhoram a fórmula. Se havia algum receio depois de A Era de Ultron sobre um filme usar vários personagens ao mesmo tempo, agora não há mais. Os diretores usaram cada peça que dispunham e montaram um quebra cabeça que tanto encerra (e até corrige) o que aconteceu na Era de Ultron, como criaram um cenário de inúmeras possibilidades para o futuro cinematográfico da Marvel.

capitao-américa-guerra-civil-4Anthony e Joe apresentam um filme de ação com ótimas cenas de lutas, comédia, piadas nas horas certas (Homem-Aranha seja muito bem-vindo à Marvel) e, é claro, aqueles momentos de tensão que fazem você escolher o seu lado tendo uma ligação emocional com os personagens, que aqui, todos são bem aproveitados, inclusive os que aparecem em poucas cenas. Nesse aspecto, a sensação que fica é que a intenção foi justamente essa, evoluir e dar mais importância aos mocinhos do filme, amadurecendo as suas personalidades de uns e deixando outros em crises. Nesse contraponto, enfraquece a presença do vilão, que por não ser o cerne da história acaba ficando o personagem mais vazio e quase sem motivação.

Sim, o vilão Barão Zemo, interpretado por Daniel Brühl, tem o seu papel. Mas a história já estava iniciada bem antes dele aparecer em tela. Foi a ação dos Vingadores na Nigéria, em busca do Ossos Cruzados, que mudou a opinião pública. Um erro e vem à questão: quem é responsável pelos danos colaterais da ação dos super-heróis? O General Ross (William Hurt) e a ONU tem a solução: o Tratado de Sokovia.

capitao-américa-guerra-civil-5É um filme do Capitão América. Isso foi prometido e foi entregue. Chris Evans já está à vontade no personagem e a sua interação com Robert Downey Jr. funciona de maneira fluida no filme. Mesmo que o eterno Tony Stark tenha as falas mais emblemáticas e ou mais momentos dramáticos (o que possivelmente se deve ao nível de atuação de Downey Jr., ou até mesmo para justificar o seu cachê), você fica concentrado em Steve Rogers e as suas decisões morais que envolvem o seu amigo de infância Bucky Barnes que se tornou a letal arma da Hidra, o Soldado Invernal. Sebastian Stan mais uma vez fez o seu papel como o “mocinho bandido” e convence nas cenas em que está “do lado” da organização criminosa.

As cenas de lutas vão agradar aos fãs. Tem ação e interação para todos os personagens. A do aeroporto que prometia o grande embate dos heróis foi sem dúvida uma das mais bem executadas dentro todos os filmes da Marvel. Destaque para o Homem-Formiga e para o Homem-Aranha. Além de darem o alívio cômico necessário para a sequência, ficou claro como os dois serão muito bem explorados futuramente.

capitao-américa-guerra-civil-2E falando em futuro e muito bem explorado, que alegria ver Homem-Aranha finalmente de volta à sua casa (apesar de Homecoming estrear só em 2017). É o Peter Parker que todos os fãs queriam ver. Nerd, inseguro, maravilhado em descobrir novas possibilidades e muito, mas muito poderoso e com um ótimo repertório de piadas. É a Marvel trabalhando com um dos seus principais personagens, e fazendo direito.

Chadwick Boseman, a mais nova adição ao universo Marvel nos cinemas, foi a grande revelação do filme. Sua inserção na história e no embate com os heróis foi explicada de maneira coerente e com motivações que geraram um arco próprio para o Pantera Negra dentro do filme. Boseman deu vida ao príncipe T’Challa e em poucas cenas se estabelece sua personalidade, trejeitos (que incluem uma altivez de realeza e um sotaque) e a sua motivação para caçar Bucky Barnes (o catalisador definitivo de Guerra Civil). Para os fãs, ainda uma pequena cena com uma das suas famosas guarda-costas e o terreno totalmente aberto para o filme solo do personagem.

capitao-américa-guerra-civil-7Capitão América – Guerra Civil abre muito espaço para o futuro, por isso a sua conclusão esteja longe de ser a mais satisfatória. Sua missão era evoluir os personagens e trazer uma renovação, apresentando novas e importantes peças que esperamos que se encaixem em um cenário ainda maior, que será apresentado em Vingadores: Guerra Infinita – parte 1 e 2. Até lá a Marvel Studios precisa preparar o terreno para o público conseguir assimilar de maneira natural os super-heróis estabelecidos até aqui, o elenco das estrelas apresentado em Guardiões das Galáxias e ainda a sua nova vertente mágica que será apresentada em Doutor Estranho.

A Fase 3 da Marvel nos cinemas está apenas começando e Capitão América – Guerra Civil já abre com chave de ouro. São duas horas e meia de ação divertida e empolgante e você irá sair do cinema extremamente empolgado e vai dizer que é o melhor filme do universo cinematográfico criado pela Marvel Studios. O que possivelmente é verdade.

Trailer:

Capitão América – Guerra Civil
Captain America: Civil War
Direção: Anthony e Joe Russo
País: EUA – Classificação: livre
Duração: 2h26 min.
Roteiro: Christopher Markus e Stephen McFeely
Elenco: Chris Evans, Robert Downey Jr., Chadwick Boseman, Anthony Mackie, Scarlett Johansson, Sebastian Stan, Don Cheadle, Jeremy Renner, Chadwick Boseman, Paul Bettany, Elizabeth Olsen, Paul Rudd, Emily VanCamp, Marisa Tomei, Frank Grillo, Tom Holland, Martin Freeman, William Hurt, Daniel Brühl
Trilha sonora: Henry Jackman
Produção: Marvel Studios,
Produtores: Kevin Feige, Louis D’Esposito, Stan Lee

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2016/04/capitao-américa-guerra-civil.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2016/04/capitao-américa-guerra-civil-300x300.jpgRenato LebeaucinemaNós assistimosAnthony Mackie,Anthony Russo,Capitão América,Chadwick Boseman,Chris Evans,Christopher Markus,Daniel Brühl,Don Cheadle,Elizabeth Olsen,Emily VanCamp,Frank Grillo,guerra civil,Jeremy Renner,Joe Russo,Kevin Feige,Louis D'Esposito,Marisa Tomei,Martin Freeman,Marvel,Marvel Studios,Paul Bettany,Paul Rudd,Robert Downey Jr.,Scarlett Johansson,Sebastian Stan,Stan Lee,Stephen McFeely,Tom Holland,William HurtA expectativa estava alta. A ansiedade consumindo os fãs ávidos para a chegada do dia 28 de abril. A responsabilidade em cima dos diretores, os irmãos Anthony e Joe Russo. Os olhos voltados para o futuro da Marvel nos cinemas. Tudo isso, todo esse “hype” é Capitão América –...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe