Um dos filmes mais aguardados do ano chega aos cinemas para expandir o universo cósmico da Marvel

Vers (Brie Larson) não tem memória de seu passado, mas tem flashs com uma mulher que ela não sabe quem é (Annette Bening). No planeta Hla, capital do império Kree, seu mentor (Jude Law) tenta fazer com que ela lute sem usar seus poderes e a aprender a não se deixar influenciar por suas emoções. Em uma missão ela é capturada pelos inimigos Srkuls e durante sua fuga acaba chegando à Terra em 1995.

A ligação estabelecida entre Vers e Fury (Samuel L. Jackson) é muito crível e natural. Os dois soldados se reconhecem um no outro e isso, aliado às missões convergentes, faz com que trabalhem juntos. O interessante da narrativa é que Vers não está em busca de seu passado, mas o descobre assim mesmo à medida que tenta solucionar sua missão de evitar uma invasão Skrul no nosso planeta.

Quando se descobre Carol Danvers, ela percebe sua força e seu verdadeiro poder. A origem de seus poderes guardam semelhanças com os quadrinhos e as diferenças são muito bem utilizadas na mídia que está dando uma repaginada muito bem vinda.

A ressalva fica somente por conta do vilão, com a formula Marvel de colocar um igual como antagonista do filme de origem. Entretanto pode-se dizer que esta não é a única figura que antagoniza com a heroína.

É inevitável a comparação com o filme da Mulher Maravilha. Ambas as personagens são um marco para as mulheres enquanto protagonista, embora Mulher Maravilha seja mais conhecida, a comparação entre os dois estúdios é grande. Diferente do filme da amazona, a heroína da Marvel descobre sua força lembrando sua força interior antes mesmo de ser atingida por uma energia alienígena. Carol atinge seu potencial quando descobre sobre seu passado.

As mudanças na origem dos poderes colaboraram ainda mais para que Capitã Marvel seja mais independente de qualquer figura masculina, o que fica explicito em uma das cenas finais.

A ligação com Vingadores está lá sim, mas de forma bem natural, sem ficar jogada na trama (diferente da cena de Thor em A era de Ultron, por exemplo). Além de ligar os pontos deixados no filme dos Vingadores e amplia o núcleo espacial do MCU.

O filme é bom, traz uma heroína sisuda nos quadrinhos e a transforma em uma heroína bem humorada e divertida. Desde a abertura com homenagem a Stan Lee até a segunda cena pós-creditos.

Capitã Marvel diverte, emociona e cumpre seu papel de apresentar a maior heroína do universo Marvel nos cinemas.

Capitã Marvel
Direção: Anna Boden Ryan Fleck
Roteiro: Anna Boden, Ryan Fleck, Geneva Robertson-Dworet, Nicole Perlman, Meg LeFauve
Fotografia: Ben Davis
Trilha sonora: Pinar Toprak
Elenco: Brie Larson, Samuel L. Jackson, Ben Mendelsohn, Jude Law, Annette Bening, Lashana Lynch, Clark Gregg, Rune Temte, Gemma Chan, Algenis Perez Soto, Djimon Hounsou, Lee Pace, Chuku Modu
Produção: Marvel Studios
Distribuição nacional: Disney / Buena Vista

Nós Assistimos: Capitã Marvelhttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2019/03/capita-marvel-09.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2019/03/capita-marvel-09-150x150.jpgLaís TigrecinemaNós assistimosAlgenis Perez Soto,Anna Boden,Annette Bening,Ben Mendelsohn,Brie Larson,Capitã Marvel,Chuku Modu,Clark Gregg,Disney,Djimon Hounsou,Gemma Chan,Geneva Robertson-Dworet,Jude Law,Lashana Lynch,Lee Pace,Marvel Studios,Meg LeFauve,Nicole Perlman,Rune Temte,Ryan Fleck,Samuel L. JacksonFacebook Twitter Instagram Youtube Um dos filmes mais aguardados do ano chega aos cinemas para expandir o universo cósmico da Marvel Vers (Brie Larson) não tem memória de seu passado, mas tem flashs com uma mulher que ela não sabe quem é (Annette Bening). No planeta Hla, capital do império Kree, seu mentor (Jude...O Impulso HQ é um site e canal no YouTube dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe