luke-cage-netflix-1A série mais esperada do mês de setembro, e também mais esperada do ano, Luke Cage, estreou quebrando tudo, inclusive a Netflix. No sábado (1/10) o serviço de streaming chegou a ficar mais de 2h fora do ar nos EUA e Reino Unido, mas como de costume a Netflix levou tudo com bom humor, resumido em um tuíte: “Nem todos os heróis usam capas. Engenheiros para o resgate. Estamos de volta”, diz a legenda do post.

Mais do que uma série, Luke Cage vem como um recado bem dado à tensão que os EUA têm enfrentado nos últimos dias, que é bastante comum aqui no Brasil também (infelizmente): excesso de força policial, mortes desnecessárias, preconceito, racismo e tantos outros itens.

Luke Cage usou e abusou desse tema, com ganchos espetaculares na série a respeito. Afinal, herói, forte, à prova de balas, preso por um crime que não cometeu, cobaia de experimento científico e… negro.

luke-cageInclusive, embora o Universo cinematográfico das HQs esteja gigantesco, temos poucos representantes negros que se destacam, valendo a exceção apenas para Máquina de Combate, Pantera Negra e também a Tempestade dos X-men.

Embora se passe na mesma esfera de Demolidor e Jessica Jones, Luke Cage se passa no bairro Harlem (Manhattan na cidade de Nova Iorque), conhecido por ser um centro cultural e comercial afro-americano e também pelo perigo.

O primeiro episódio da série traz uma sensação de se passar nos anos 70, o visual, a iluminação, as paletas de cores, até lembram Todo Mundo Odeia O Chris (e seria bem legal se tivesse participação de Chris Rock), mas apesar do visual a conversa envolve Instagram e não tem nenhuma piada.

luke-cage-3A parceria Marvel/Netflix mostra que está atenta aos detalhes, desde a abertura da série, fica claro que eles observaram o que funcionou com Demolidor e somou com o que também deu certo em Jessica Jones. Outro exemplo, a tão comentada cena do corredor de Demolidor foi claramente inspiração para uma cena de Cage.

Por diversas vezes na série existe a menção aos demais heróis das outras séries, inclusive também existe a participação de outros personagens também inseridos nas tramas. É cada vez mais possível ver a formação dos Defensores, vê-los mais próximos. Além disso, existem diversos comentários sobre o Universo cinematográfico da Marvel.

A caracterização dos personagens foi algo que chamou muita atenção, além de ter que trazer os personagens desenhados na década de 70 nos tempos atuais, eles não ficaram com visual cartunesco, nem desatualizados.

luke-cage-4Falando sobre os personagens, temos novamente a (maravilhosa) Claire Temple (Rosario Dawson), que aqui conta com a introdução de sua mãe Soledad Temple, interpretada pela brasileira Sonia Braga.

Claire agora desempregada se vê cada vez mais envolvida em atender pessoas com poderes e habilidades e acidentalmente se envolve na trama da série e segue ao lado de Cage. Esse novo ruma poderia significar que Claire finalmente assumiria a identidade de Enfermeira da Noite, mas como a personagem estará no próximo filme Dr. Estranho, provavelmente ela ainda crescerá na trama, mas não carregará ainda esse status.

Outros personagens são introduzidos, muitos vilões, muitas reviravoltas. Apesar dos vilões serem bem interpretados, não espere nenhum Killgrave ou Rei do Crime. Nenhum vilão de Cage chega aos pés dos antecessores, um pouco talvez porque alguns deles ainda não tenham sido inteiramente aproveitados, deixados para serem desenvolvidos em uma possível segunda temporada.

luke-cage-8Inclusive, temos o Cottonmouth (Mahershala Ali) com uma risada melhor que a do Coringa da DC Comics, por exemplo, sua prima Black Mariah (Alfre Woodard) sendo retratada bem diferente dos quadrinhos, Shades (Theo Rossi) também aparece como um grande manipulador e “resolvedor de problemas”.

A série é basicamente dividida em dois arcos, coisa que também vemos em Demolidor, 1º arco: trama, investigação, luta, briga. Pausa. 2º arco: trama, investigação, luta, briga tudo de novo, mas um pouco mais intenso.

luke-cage-6O tom da série vai mudando de acordo com a trama e chega a ficar com visual mais “dark” à lá Demolidor. A série se perde um detalhe importantíssimo, a música. No começo, parece que até as falas dos atores são musicais, como se eles também estivesse em uma música (veja bem, não em um musical) apesar da grande influência da música da cultura negra na série, isso vai se perdendo ao longo da trama, quando a série vai ficando mais intensa, temos menos música.

Preciso concordar com Tarantino em um ponto quando o famoso diretor “Eu só penso que aquele primeiro capítulo, o capítulo de origem… foi tão bom, e foi a tentativa da Marvel de trazer a vibe de um filme de cultura negra para seus quadrinhos de super-heróis”, e continuou “então peguem apenas aquele Capítulo 1 e coloquem ele na forma de um roteiro. A era de Luke Cage: Hero for Hire, essa é a era.”

Luke Cage peca nos personagens, tem ótimos personagens para serem desenvolvidos, mas não vai adiante, não são totalmente aproveitados, deixando portas e perguntas abertas o que nos leva a esperar uma segunda temporada, exatamente com a intenção de levar esses personagens onde eles já poderiam ter chegado logo de cara.

luke-cage-7Algumas falhas de roteiro e continuidade acabam deixando a série desgastada nos dez primeiros episódios, mas que conseguem restabelecer o ritmo.

A produção brinda os fãs com muitos easter eggs com direito até a aparição de Stan Lee, referências a outras séries e “coincidentemente”, Luke Cage, que na série é interpretado pelo ator Mike Colter, com os trajes dos quadrinhos.

luke-cage-2A série transmite a mensagem que precisa levar e vem de encontro com os recentes noticiários americanos e faz isso com maestria; carregada de intolerância, crítica ao sistema, brutalidade policial e discriminação racial e social.

Para finalizar, a série do herói que responsável pelo nome artístico de Nicholas Cage, inclusive traz uma referência muito rápida a Punho de Ferro, outro personagem que já estamos esperando.

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2016/10/luke-cage-1.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2016/10/luke-cage-1-300x300.jpgMarina CiconelicinemaLuke Cage,Marvel,Mike Colter,NetflixA série mais esperada do mês de setembro, e também mais esperada do ano, Luke Cage, estreou quebrando tudo, inclusive a Netflix. No sábado (1/10) o serviço de streaming chegou a ficar mais de 2h fora do ar nos EUA e Reino Unido, mas como de costume a Netflix...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe