Hoje vamos falar de Steven Universo, uma das séries mais famosas da Cartoon Network atualmente, apesar da base de fãs brasileira ainda não ser tão grande, e iremos analisar o que podemos aprender sobre a progressão de personagem.

Se não conhece a série animada, aqui vai um resumo: a vida de Steven, um garoto de 14 anos que é criado por três Gems, criaturas alienígenas formadas a partir de pedras.

Desta maneira simples, o enredo não parece grande coisa, mas o modo com que o desenho trata questões mais sérias como relacionamentos, tanto familiares quanto amorosos, é incrível.

Mas afinal, o que é progressão de personagem?

De maneira geral, a Progressão de Personagem é a evolução que ele tem durante toda a história. Pode ser algo tanto físico, quanto psicológico ou sobrenatural. Pegando de exemplo, Peter Parker, sua primeira história mostra ele sendo mais inconsequente, porém, após a morte de seu tio Ben e, mais para frente, de sua namorada Gwen Stacy, vemos Peter amadurecendo como pessoa.

Qual a importância da progressão?

Ver um personagem amadurecer conforme a trama ou até mesmo ganhar novos poderes mostra que o universo em que ele está inserido não é estático. Cada ação tomada tem que ter consequências. Isso gera mais identificação com o nosso mundo. Fazer com que o personagem conviva com a dor, entenda-a e mude a partir disso evita que as próximas histórias sejam o famoso “mais do mesmo”.

Mesmo que a história tenha exatamente o mesmo conceito que uma anterior, o personagem está mudado então lidará diferente com aquilo. Voltando ao exemplo de Peter Parker responda: depois de suas perdas familiares e amorosas, se ele ficasse frente a frente de novo com um ladrão, ele iria impedi-lo?

O esquecimento e o fator Deus Ex Machina

“Por que muita gente escreve isso errado?” você deve estar se perguntando agora. Tradicionalmente, roteiristas erram na hora de escrever sobre progressões em dois casos:

O primeiro é ignorar as consequências dos fatos anteriores. Muitas vezes, ao trocar um escritor em um quadrinho, ele quer escrever um determinado arco, mas o estado atual do personagem o impede. E então, ele simplesmente ignora alguns pontos da progressão e faz as coisas do jeito dele. Quem nunca se pegou se perguntando “esse personagem realmente faria isso? Depois de tudo que aconteceu?”, como na tão controversa saga “Um dia a Mais”, em que Peter faz um pacto com Mefisto.

O outro erro, muito mais comum em mangás, é o Deus Ex Machina. Esse é um termo usado para quando parece que a solução aconteceu do nada e coincidentemente é muito útil para a situação atual. Nós mangás, isso acontece em arcos de batalha, em que, no momento que o protagonista está perdendo, ele desenvolve uma nova habilidade/ganha um novo poder/ganha uma nova evolução.

A coincidência faz com que quem está lendo não tenha imersão, pois parece uma solução fácil e, muitas vezes, até mesmo preguiçosa do autor. Alguns autores ainda se salvam e deixam pistas sobre a nova transformação durante o arco que ela irá acontecer, porém, ainda é um ponto que pode ser muito melhor explorado.

Os ensinamentos em Steven Universo

O personagem principal, de Steven Universo é Steve, um garoto meio humano e meio Gem, logo, possui poderes e transformações, e também passa por várias decisões morais que vão aperfeiçoando seu caráter e fazendo-o se tornar alguém questionador e mais crítico, sem perder a personalidade inicial.

Mas, o que pode chamar a atenção neste desenho é como isso é feito. Como é um desenho animado que fala sobre uma guerra que aconteceu há alguns anos e o garoto é criado pelas rebeldes, Steven Universo apresenta muitas cenas de luta, com direito a armas brancas, ioiôs e mulheres de dez metros com duas bocas.

Mas, nenhum desses pontos e transformações é apresentado durante as lutas. Cada uma das novas habilidades que Steven descobre que possui é apresentada em momentos descontraídos e mais leves, quase sempre por acidente. E, futuramente, em meio à briga, Steven faz uso dessas novas habilidades.

Como exemplos, podemos lembrar da cena em que, empolgado por voltar a Terra, Steven comemora pulando (como qualquer criança faria) e, neste momento, descobre que consegue planar. Ou então, no primeiro episódio que ele descobre que pode gerar escudos através de sua joia quando estava comendo um biscoito de sorvete.

Em nenhuma dessas ocasiões, Steven estava em um momento crucial, mas em todos os momentos cruciais, ele se utilizou de todos esses recursos que foi aprendendo com o passar dos episódios.

Também vale a pena lembrar que cada habilidade é frequentemente treinada e seu treinamento é mostrado, para que quem assista não pense que ele ganhou este controle todo por mágica.

Para sermos justos, conveniências também ocorrem, mas estas são justificáveis. Um exemplo é a luta de Steven e Ametista contra Jasper. No momento em que parece que a esperança está perdida, eles se fundem pela primeira vez e viram Quartzo Fumê. Apesar de parecer algo preguiçoso, se olharmos para todo o contexto criado, veremos que foi algo pensado e não uma solução simples.

Desde o início do desenho, era dito que Gems poderiam se fundir se possuíssem uma conexão. Fator que aconteceu na luta. Já havia sido mostrado também que Steven consegue se fundir mesmo sendo meio humano. E, para finalizar, os episódios anteriores desta transformação mostraram Steven se tornando cada vez mais íntimo da Ametista, o que contribuiu muito com a conexão entre eles.

Logo, apesar da conveniência, isso ainda passa longe das transformações de última hora apresentada em diversos mangás.

Já em relação a progressão emocional, é feita de uma maneira natural, aumentando levemente as decisões que o personagem tem que fazer e as escolhas que ele tem que tomar. A curva de evolução é tão suave que nem percebemos que no primeiro episódio era discutido se deveria comer um biscoito agora ou guardá-lo e, no centésimo, se matar Gems malignas nos tornam tão maus quanto elas.

Checklist de progressão

Steven Universo evolui cada personagem de maneira natural e foge ao máximo de toda e qualquer coincidência. Este é um dos diversos fatores que fazem uma historia ser boa.

Agora, sempre que estiverem lendo alguma coisa, prestem atenção nisso:

O autor leva em consideração tudo o personagem passou?
A personagem ganha poderes convenientes demais?
O emocional dos personagens amadurece?

Com isso em mente, a sua história com certeza não cairá em escapismos fáceis e no tedioso elemento surpresa salvador da pátria.

***

Lembrando que este texto tem muita opinião pessoal, mas também não se prende somente no “isso é bom, e isso não”. O objetivo aqui foi comentar um ponto importantíssimo na criação de uma história que pode ser tanto de série, filme, jogo, quadrinho, mangá e etc. e analisar o porquê Steve Universo é um ponto de inspiração para os amantes de boas histórias.

Concordam? Discordam? Comentem!

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2018/01/Steven-Universo-progressao-de-personagem.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2018/01/Steven-Universo-progressao-de-personagem-150x150.jpgMatheus ZucaartigosCartoon Network,progressão de personagem,Steven UniversoFacebook Twitter Instagram Youtube Hoje vamos falar de Steven Universo, uma das séries mais famosas da Cartoon Network atualmente, apesar da base de fãs brasileira ainda não ser tão grande, e iremos analisar o que podemos aprender sobre a progressão de personagem. Se não conhece a série...O Impulso HQ é um site e canal no YouTube dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe