O Homem-Aranha é o personagem mais conhecido da Marvel Comics. Curioso é que esse sucesso que o escalador de teias faz até os dias de hoje não era esperado em agosto de 1962, quando surgiu na revista Amazing Fantasy nº 15. Prova disso é sua modesta primeira história, sendo apenas mais uma dentro de uma revista feita para apresentar histórias de ficção e terror, no melhor estilo pulp.

A origem do Homem-Aranha, escrita por Stan Lee e desenhada por Steve Ditko, é bem isso mesmo. O drama de um jovem que ganha poderes espetaculares, ao mesmo tempo em que esses poderes podem ser sua maldição (pelo peso da responsabilidade colocada em suas mãos).

O jovem Peter Parker é o típico estudante dedicado aos estudos que, por isso, é ridicularizado pelos demais colegas de sua mesma faixa etária. Enquanto os outros adolescentes têm em mente apenas “azarar” e conquistar pontos para alimentar o ego, Parker se mostra distante desses interesses. “Culpa”, talvez, do excesso de cuidados vindo da criação e educação dados por sua tia May e seu tio Ben.

De certa forma, foi graças a essa dedicação aos estudos que Parker encontrou seu destino peculiar. Era um dos poucos estudantes que se interessava em assistir experiências de laboratório. E, numa delas, foi acidentalmente picado por uma aranha, que havia sido irradiada pela radioatividade utilizada no experimento.

Com o fraco veneno radioativo de uma aranha doméstica correndo em suas veias, Peter sentiu mudanças significativas em seu corpo. Ele agora podia escalar paredes e sua força física alcançou um nível descomunal. Esperto como era, o jovem logo percebeu que a picada da aranha foi responsável por aquele milagre. Mais tarde, baseado nas capacidades do aracnídeo, ele criaria um fluído sintético aderente, que imitava a teia de uma aranha e o mecanismo portátil que permitia ao herói dispará-lo em suas rondas aventurescas.

No entanto, a primeira atitude de Peter não foi algo tão heróico, como se imagina. Suas intenções não eram nem mesmo usar suas capacidades para se destacar entre seus colegas. O problema primordial do jovem era dinheiro, algo que seguiria o mito do personagem nas décadas seguintes.

A ideia que se segue é de mostrar seus dons na TV, fazendo sua estréia num ringue de luta livre. Daí em diante, ele investiu na imagem do “Homem-Aranha” (como a imprensa o chamava) e criou também seu característico uniforme. A fama subiu a cabeça do até então apagado Parker, que começava a se tornar arrogante. Arrogante a ponto de não querer se esforçar em impedir um simples assalto que lhe passava em frente.

Mas o destino é cruel (principalmente em revistas de ficção científica, onde reviravoltas são comuns) e um dia Peter tem uma triste surpresa. Seu tio foi assassinado em uma tentativa de assalto. Transtornado, veste seu uniforme e usa suas capacidades para encontrar o assassino. Consegue capturá-lo e descobre que ele é o mesmo assaltante que deixou fugir anteriormente.

Com essa dura lição, Peter Parker, o Homem-Aranha, descobriu que grandes poderes, trazem grandes responsabilidades (jargão que seria usado durante toda sua carreira como herói). Para a revista Amazing Fantasy, que chegava a seu último número, este era apenas mais um conto dramático sobre um jovem e seus incríveis poderes. Para o mundo dos quadrinhos, entretanto, surgia ali um dos mais famosos e admirados super-heróis da história.

Marcos Darkprata da casaAmazing Fantasy,Homem-Aranha,Marvel,Stan Lee,Steve DitkoO Homem-Aranha é o personagem mais conhecido da Marvel Comics. Curioso é que esse sucesso que o escalador de teias faz até os dias de hoje não era esperado em agosto de 1962, quando surgiu na revista Amazing Fantasy nº 15. Prova disso é sua modesta primeira história, sendo...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe