Superman foi um dos super-heróis que mais evidenciaram a passagem da Era de Prata dos quadrinhos. Em suas aventuras tudo se tornou exagerado. Isso vai desde sua capacidade de mover um planeta inteiro até o famigerado superventriloquismo (capacidade de simular sua voz a quilômetros de onde estava só para enganar os inimigos).

Na realidade, o que houve nessa época foi uma… hã… SUPERexposição de supers. Suas capacidades eram quase infinitas. Quase, pois, como dito antes, tudo se tornou exagerado, inclusive suas fraquezas. Havia uma infinidade multicor de kriptonitas, cada qual com um efeito mais bizarro que o outro sobre o herói.

E tudo relacionado ao Superman se tornou motivo de expor ainda mais o personagem. Até mesmo super animais (cão, gato, cachorro, cavalo) eram mais comuns em todas as histórias onde o azulão aparecia. E com os personagens coadjuvantes não era diferente. Jimmy Olsen e Lois Lane não só tinham sua devida e influente importância dentro dos títulos, como também acabaram ganhando revistas só para eles.

Bom lembrar que, na época, devido à acirrada censura sobre os quadrinhos, a saída para se contar histórias sem ofender os mais puritanos era usar o recurso da ficção científica. O gênero era o menos perseguido, pois em muitos casos, lia-se uma alusão contra o comunismo (grande inimigo dos americanos até então). Mas, de fato, o rumo das histórias ia muito além da imaginação comum.

Nisso, vemos o Superman em situações tão bizarras que se criou o termo de “histórias imaginativas”, ou seja, fora do “dia a dia” do herói em salvar o planeta. Não que houvesse uma preocupação com o que chamamos hoje de cronologia. As histórias eram tão absurdas que o termo servia de uma espécie de alerta ao leitor: podem ficar despreocupados que, apesar da loucura acontecendo nessa edição, o herói “normal” volta mês que vem!

Se com o um personagem icônico como o Superman esse tipo de situação bizarra já acontecia, imaginem com os coadjuvantes. Jimmy Olsen, conhecido como o melhor amigo do Superman, sofreu tudo quanto é tipo de transformação. Não havia limite para a (quase sádica) imaginação dos escritores e desenhista.

Lois Lane não escapou disso por ser uma dama. Também era colocada em situações que beiravam o ridículo (e, quando digo “beiravam”, estou sendo gentil com moça). Porém, Lois tinha um fator importante nos bastidores que muito influenciaram suas histórias próprias: a revolução social no que diz respeito ao papel e aos direitos das mulheres acontecendo nas décadas de 60 e 70.

Com a revista Superman’s Girl Friend Lois Lane, publicada pela primeira vez em Março de 1958, a “namorada do Superman” iniciou suas aventuras como uma tresloucada mulher que não tinha limites para alcançar seu objetivo. E seu objetivo era um só: garfar o Superman como seu futuro esposo. A grande sacada dessas aventuras era como seus planos sofriam reviravoltas e mostravam fins que não eram exatamente o que planejava com os meios.

Mas, planejado ou não, o sucesso de sua revista obviamente atingia em cheio o público feminino, não tão comum quando falamos de super-heróis, e isso começou a dar outro rumo para o título.

Por um bom tempo, ainda foram vistas situações onde a maior preocupação da repórter era não perder espaço para a rival Lana Lang. Isso mudaria com o passar do tempo onde a personagem ficaria mais independente tanto dessa fixação em agarrar o supermarido correto e lutaria por sua própria conta e risco, deixando até mesmo o herói para trás, quando não, resolvendo problemas que nem mesmo ele conseguia.

Enquanto o Superman se tornou um símbolo daquele que protege os fracos e oprimidos, Lois Lane estava meio que fazendo o mesmo papel, literalmente, com os pés no chão. Lutou bravamente pelos direitos das mulheres e, não satisfeita, ainda mostrou como combater o racismo em uma época tão conturbada.

A Era de Prata mostrou o Superman banhado pela palavra “exagero”. Já com Lois Lane, essa época serviu de modelo para várias outras personagens no que se refere ao termo “mulher independente”.

Marcos Darkprata da casaDC Comics,Era de Prata,Lois Lane,SupermanSuperman foi um dos super-heróis que mais evidenciaram a passagem da Era de Prata dos quadrinhos. Em suas aventuras tudo se tornou exagerado. Isso vai desde sua capacidade de mover um planeta inteiro até o famigerado superventriloquismo (capacidade de simular sua voz a quilômetros de onde estava só para...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe