087 Johh Broome AAntes mesmo de ser incumbido da importante tarefa de remodelar o gênero de super-heróis, John Broome já havia trabalhado em várias obras em quadrinhos. Assinando com nomes diversos como John Osgood ou Edgar Ray Meritt, o escritor trabalhou nas histórias da Sociedade da Justiça. Fã ardoroso de ficção científica, Broome esteve presente na revista Mystery in Space desde seu primeiro número. No gênero, também criou aquele que é considerado o último super-herói antes da Era de Prata: o Capitão Cometa.

Sua predileção para a ficção científica foi ponto importante para o que o editor Julius Schwartz tinha em mente, a fim de remodelar o gênero de super-heróis. Em uma época em que esse gênero estava em baixa, principalmente devido à perseguição imposta pela censura, a melhor saída foi adaptar as histórias de seus heróis com um tom da boa e velha ficção científica.

087 Johh Broome BEssa nova abordagem seria tão profunda que mudaria até mesmo os heróis propriamente ditos, dando-lhe não só novas identidades secretas, mas novas origens, poderes e visual. Dentro desse escopo, e juntamente com Carmine Infantino, Joe Kubert e Robert Kanigher, Broome auxiliou nas primeiras histórias do herói velocista Flash, no qual ele já havia escrito histórias durante a Era de Ouro.

Sua reformulação, iniciada na revista Showcase n° 4, de Outubro de 1956, deu ao personagem a identidade de Barry Allen e o transformou no primeiro super-herói da Era de Prata. Seus poderes eram basicamente os mesmos, tornando-o o homem mais rápido da Terra. A origem do personagem era semelhante a sua contraparte da Era de Ouro, onde ele adquiriu poderes através de um acidente com produtos químicos. Havia, no entanto, certa ênfase na ficção contida no clima de suas histórias.

087 Johh Broome CNas páginas de Flash, revista própria do herói, Broome desenvolveu diversos personagens na mitologia do velocista. Wally West surgiria anos depois como o parceiro mirim do herói, Kid Flash. Vilões como o Capitão Bumerangue, Abra Kadabra e Flash Reverso também infernizariam o herói. Também criaria, ainda com o desenhista Carmine Infantino, o Homem Elástico.

Em 1959, outra roupagem com tom de ficção científica surgiria através de seu roteiro. Diferente de seu homônimo da Era de Ouro, que tinha poderes místicos, o novo Lanterna Verde, codinome do piloto Hal Jordan, ganha seus poderes por meio de um anel fornecido por um alienígena. Antes mesmo do surgimento da concorrente, a Marvel Comics, Broome daria humanidade ao herói, fato que ainda não era tão comum no gênero de super-heróis.

087 Johh Broome DDe fato, apesar de o Lanterna Verde ser o principal herói das histórias, era sobre as desventuras de Hal Jordan que os roteiros de Broome focavam. Mesmo com a transformação do interesse amoroso do herói, Carol Ferris, em uma supervilã (Safira Estrela), a abordagem mostrava mais o conflito do impulsivo piloto contra sua “patroa”.

Um dos vilões que criaria para o Lanterna Verde, chamado Mão Negra, era uma homenagem para o amigo Bill Finger, um dos criadores do Batman. O identidade secreta do vilão era William Hand. Sendo “William” uma versão para Bill e “Hand” (mão) uma brincadeira com o sobrenome “Finger” (que também pode ser traduzido como “dedo”). Curiosamente, Broome foi responsável por trazer um novo clima para as histórias do Batman, de Bill Finger, já que era o personagem que mais destoava da onda de ficção científica. Dessa forma, a solução foi torná-lo mais ingênuo e com conceitos antigos, como Ace, o bat-cão, e Batmirim sendo reaproveitados.

A ficção científica ainda permeava seu trabalho e não só heróis eram transformados para esse gênero, como também surgiam novos personagens dentro dele. Foi assim que, com o desenhista Murphy Anderson, criou os Cavaleiros Atômicos, heróis do mundo pós-Terceira Guerra no então longínquo ano de 1992.

dcmoment29bVale lembrar que em 1960, Broome mudaria com a esposa para França, mais ainda produziria muitos roteiros para os quadrinhos da DC Comics. Até 1970, continuaria escrevendo histórias para Batman, Flash e Lanterna Verde. Entre seus personagens mais famosos criados até o fim de sua carreira com quadrinhos, está o Lanterna Verde Guy Gardner, que seria revitalizado na década de 80.

Broome passou então a viajar pelo mundo e chegou a lecionar inglês no Japão. Sua diversão com os quadrinhos rendeu um conjunto de histórias que se tornaram clássicos da Era de Prata, tendo reflexos até hoje. Assim como levou os leitores a conhecer um novo mundo onde personagens clássico agora despontavam de forma diferente, Broome também almejou conhecer o mundo onde vivia, com uma diversidade não só de conceitos, mas de culturas diferentes.

Esse ritmo de volta ao mundo durou até seus últimos dias. Em março de 1999, viajando de férias pela Tailândia, morreria nadando na piscina de um hotel. Após 85 anos de vida, o mundo pode ter se tornado pequeno para o escritor viajante que não só explorou o mundo real, mas foi muito além levando diversos leitores em suas viagens pelo mundo da ficção.

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2014/08/SA150ad1-Fl135-MiS82.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2014/08/SA150ad1-Fl135-MiS82-300x300.jpgMarcos Darkprata da casaEra de Prata,John Broome,Julius Schwartz,Mystery in SpaceAntes mesmo de ser incumbido da importante tarefa de remodelar o gênero de super-heróis, John Broome já havia trabalhado em várias obras em quadrinhos. Assinando com nomes diversos como John Osgood ou Edgar Ray Meritt, o escritor trabalhou nas histórias da Sociedade da Justiça. Fã ardoroso de ficção científica,...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe