1_sal_impulso

Olá pessoal…a convite do Renato Lebeau, cá estou eu no Caminho do Artista, contando um pouco sobre os passos que me trouxeram até aqui.

Inicialmente, claro, fui um garoto devorador de tudo que era gibi, livro ilustrado e desenho animado… e depois tentava fazer minhas próprias histórias… desenhar era o meu ponto de fuga! Minha base, foi Disney, Maurício (Horácio na folhinha) e o Amigo da Onça.

Ressalto brevemente os grandes estalos quadrinhisticos que tive: Asterix, meus olhos saltaram…quadrinho era a mais pura arte e inteligência! MAD, quadrinho era irreverência, transgressão…(destaque para Don Martin) Metal Hurlant…quadrinho era viagem pura, lisérgico (destaque para Moebius).

Meu primeiro trabalho profissional aconteceu aos 15 anos, na 8º série, onde tínhamos aula de educação espiritual. O padre que nos dava aula curtia os cartuns que eu fazia para ilustrar os trabalhos e me convidou para desenhá-los nas novas edições de seus 4 livros.

Adorei fazer e ganhei um dinheirinho bom. Mas foi só! Desenhar seria Hobby, “não era profissão”…eu seguiria o caminho da universidade para ser um promissor Arquiteto! =( Sim, sou formado arquiteto pela Fau/Usp, mas nunca exerci. =)

No quarto ano resolvi prestar uma faculdade que tivesse mais a ver com o que eu gostava e entrei na Eca, onde comecei a me articular com pessoas que queriam fazer Quadrinhos ou Cinema de Animação. Lá filmei em super-8 (película 8mm) o meu trabalho de graduação na Fau, que foi um desenho animado refletindo a solidão do homem moderno na cidade grande.

Eu me inspirei bastante no claro-escuro do Spirit, de Will Eisner.

2_tgi

TGI-FAU (story board)

Com isso conheci uma turma no cinema e começamos a desenvolver alguns projetos de animação. Durante 3 anos, com apoio da faculdade, (que nos dava sala e equipamento para animação) e de verbas da Secretaria da Cultura (prêmio estímulo aos quais concorríamos) acabamos produzindo 3 curta-metragens: “Zabumba, Masp Movie e Rovena”.

O filme Masp Movie foi o que mais teve repercussão, participou de vários festivais e passava muito no Lanterna Mágica da TV Cultura. E ainda colaboravamos em curtas de outros alunos, como o “Frank Punk”, da Eliana Fonseca e Cao Hamburguer.

3_masp_movie

Masp Movie (na foto, figuração: eu, de cachecol, no meio do Hamilton e do Sylvio, também autores)

Mais ou menos nessa época, participei da Revista “Brigitte”, quadrinho independente feito pelo pessoal da Fau, capitaneada pelo Newton Foot e Fábio Zimbres, com capa do Líbero. Eu estava na fase “Moebius”…fiz duas historinhas de ficção fantástica.

4_brigitte

Brigitte

Voltando à animação, no terceiro filme eu já estava “desanimado”, muito desenho para poucos segundos de história. Então, para relaxar, eu comecei a fazer tiras de humor com um personagem que eu recentemente havia criado, o “RAN”. Logo ele estava nas páginas do Jornal do Campus, produzido no curso de jornalismo da Eca (86).

Nesse jornal estavam também tiras do Ruy Jobim, Rocco e Foot, que mais tarde chamaria o Ran como convidado em a sua revista Bundha 2, em 1987 (Press). Nesse mesmo ano, até hoje não sei como, fico sabendo que os editores do Caderno 2 (Estadão) estavam procurando o autor das tiras do Ran, pois queriam publicá-lo no Jornal. E lá fomos nós!

5_bundha_e_jc

Bundha

Nessa época, o Estadão estava querendo atrair leitores jovens e por isso editava uma página inteira do caderno de cultura com quadrinhos.

6_caderno_2

Caderno 2

Foi graças a esses trabalhos que consegui uma vaga como animador e ilustrador no departamento de artes da TV Cultura, em 1989, no infantil “Rá-Tim-Bum”, dirigido pelo Fernando Meirelles.

Trabalhei com grandes animadores como Flavio Del Carlo, Arnaldo Galvão, Ridaut entre outros. Depois do cinema e quadrinhos, lá estava eu aprendendo sobre TV. Foi uma época maravilhosa…curti e aprendi muito, na TV tem muita gente trabalhando junto, departamento de artes, cenografia, figurino, produção, técnica e estúdio…todo mundo interagindo.

Uma pequena… micro… hollywood! ^^ Depois que eu terminava meu trabalho, eu sempre descia ao estúdio para assistir as gravações. Nessa época, fui convidado pelo Fernando Gonsales para participar no gibi “Niquel Náusea”, (admiro obra e autor ^^), na seção de cartuns temáticos.

Nesse gibi eu experimentei traços mais quadrados, angulosos…sei lá! eu queria fazer algo diferente do “Ran” . Na revista estavam também o Spacca, Foot, Negreiros e Duval.

7_niquel_nausea

Níquel Nausea

Participei também de dois números da revista mix de quadrinhos “Aventura e Ficção” .. Essa revista, da Abril/jovem, que durou 2 anos, começou com um time de feras americano, John Buscema, Roy Thomas, John Byrne… a partir do numero 14 começou a mesclar um time de feras brasileiro, Mozart Couto, Watson Portela… e europeu, Milo Manara, José Ortiz…. E atenção aqui! foi uma honra participar dessa revista, emplaquei 2 histórias em dois números…acho que mais pela piração dos textos…pois minha técnica não chegava perto dos mestres supra citados.

8_aventura_e_ficcao

Revista Aventura e Ficção

E o Ran continuava sua trajetória. “Skate Mania” (88), “Alegria” (89), ambas da Editora Abril, Jornal do Brasil (90), “mini cruzadas” e “risca aparece”(91),também da Abril.

9_skate_mania

Revista Skate Mania

Vocês percebem que minha história nos quadrinhos é basicamente a história do Ran ?

As vezes eu digo: eu não faço quadrinhos, eu faço o Ran! E outra coisa…nessa trajetória, pela influência do trabalho voltado às crianças na TV Cultura e nas revistas da Abril, o Ran vai se tornando mais light, se focando também no publico infantil. 1991, pausa nos quadrinhos… monto meu estudio onde fazia free-lancers com ilustrações, logotipos, institucionais, desenhos para camisetas, embalagens…o que pintasse.

Trabalhei um tempo na “Giovana Baby”, desenhando em 2D seus bichinhos de pelúcia. Em 1992 conheço a redação de um jornal erótico, o “Só para Maiores”, que ficava a poucas quadras de minha casa, e comecei a colaborar com tiras sobre o tema.

A brincadeira durou uns seis meses, mas foi o start para eu começar uma produção nessa temática: a “Eros Magia” http://saleiras-sal.blogspot.com na foto o original de 91 e um ramake de 2007.

10_eros_magia

Eros magia

Em 1994 estava eu novamente na TV Cultura, animando e ilustrando para o “Castelo Rá-Tim-Bum”, dirigido pelo Cao Hamburguer. Novamente um grande prazer pelo trabalho!

11_castelo

Castelo (cenário principal)

Em 1996, volta o Ran em tiras na “Heróis do Futuro” pela Press, onde conheci o Marcio Nicolozi e o Rogério Vilela, depois passa para a “Comix book shop” (99 a 2001) e Calvin&Cia (2001), um coletivo de tiras internacionais, com o Paulo Paiva e eu representando o Brasil.

E teve também a “Super Legal”, uma revista experimental, com histórias mais compridas, onde o Ran ciceroneava alguns convidados, entre eles, Márcio Baraldi, Aran, Max e Alê Abreu.

12_comix_e_cia

Comix e Cia

Em 1999 eu entro no mundo do Photoshop e da Internet… Um mundo novo para mim! aprendo o que significa e-mail, começo a enviar “e-tirinhas” para todo mundo e nessa brincadeira reencontro velhos amigos de faculdade que estavam coordenando conteúdo para a AOL/Brasil (America On Line) e eles me convidam para montar uma seção de humor na página de diversões.

No primeiro mês de trabalho, fui procurado pelo pessoal de atendimento ao cliente. Eles queriam usar o Ran para se comunicar com os usuários. E lá fomos nós trabalhar em multi-nacional ^^ Ficamos lá por mais de 2 anos, até a AOL se retirar do Brasil.

Foi um trabalho bem pago em termos de tirinha, e uma grande experiência e oportunidade de trabalhar em uma mídia nova.

13_aol

“Central de Tiras” – AOL 2003

Faoza, Orlandeli e eu resolvemos juntar um grupo de 20 tiristas e montar um livro coletivo. A idéia era fazer uma “cena” em torno de tiras, não quadrinhos ou cartum ou ilustração…mas TIRAS! Hoje toda a moçada do livro está atuando na praça.

14_central_de_tiras

Central de tiras

Em 2004 chega a vez dos Blogs. Fácil de criar e atualizar e permitia grande interação com outros internautas…montei então meu primeiro “Universo Ran” (www.ran.nafoto.net) Viciei… peguei todo material “engavetado” do Ran e dei um “upgrade” …rediagramei tiras, melhorei textos, colorização…e comecei a produzir coisas novas também.

Com o tempo entro para uma lista de blogueiros convidados e depois passo a ganhar chamadas, links, na pagina de abertura do Fotoblog/UOL, o Universo Ran ganha mais visibilidade e reencontro antigos amigos/leitores ao mesmo tempo em que faço novos.

15_uol

UOL

Hoje (2009) sinto que os blogs começam a perder força para ferramentas como twiter e facebook….vou seguindo a onda e levando meu trabalho adiante. Paralelo a isso tudo, tenho feito ilustrações institucionais para empresas, especialmente na área de Direito.

Meu irmão advogado, Roberto Messina, tem um escritório especializado em Previdência Complementar, o MML, e resolveu apostar na linguagem de ilustrações nas apresentações que faz por todo o Brasil, para advogados, magistrados, promotores, e técnicos do segmento em que trabalha. Ele desenvolve o tema das palestras, discutimos idéias e eu crio os cartuns ilustrativos.

Como resultado, as apresentações ficam mais claras, agradáveis, e vem fazendo sucesso no meio.

16_istitucionais

Institucionais

Bem…é isso aí! É claro que houveram pedras no meio do caminho… tropeções… tombos…mas seguimos adiante. Percebo a necessidade de todos nós, cartunistas, quadrinhistas, animadores, unirmos nossos caminhos para pavimentarmos uma larga estrada. A estrada da Cultura Nacional.

Precisamos ocupar espaço em nossas bancas, livrarias, TVs, cinemas, camisetas… precisamos ser “nós mesmos” e não reflexo de outras culturas. abração a todos! ^^

Renato Lebeaucaminho do artistaOlá pessoal...a convite do Renato Lebeau, cá estou eu no Caminho do Artista, contando um pouco sobre os passos que me trouxeram até aqui. Inicialmente, claro, fui um garoto devorador de tudo que era gibi, livro ilustrado e desenho animado... e depois tentava fazer minhas próprias histórias... desenhar era o...IMPULSO HQ é um site que se propõe a discutir histórias em quadrinhos e assuntos derivados como cinema, games e cultura pop em geral.