São Francisco, Califórnia, 31 de maio de 1930. Nesta data nascia Clint Eastwood Jr, hoje conhecido por ser ator, cineasta, produtor, roteirista, musicista, diretor e político.

90 anos depois, Clint passou por diversos papéis, mas é ao faroeste que ele deve toda a sua fama. O Homem sem Nome, Os Imperdoáveis e A Trilogia dos Dólares (Por um Punhado de Dólares, Por uns Dólares a Mais, Três Homens e um Conflito) são os principais filmes que forjaram a carreira do ator.

Fora o faroeste, Eastwood é dono de quatro estatuetas e oito nomeações do Oscar, levou por Melhor Diretor e Melhor Filme em Os Imperdoáveis e Menina de Ouro.

Para celebrar a data, trazemos hoje a resenha do filme Gran Torino (2008), que causou diferenças entre a crítica: de um lado a ala dos decepcionados com o material, e do outro, aqueles que afirmam que a produção era sim material para Oscar.

Em Gran Torino, Eastwood está nos dois lados da câmera, como diretor e como Walt Kowalski, um veterano da guerra da Coréia cuja esposa faleceu recentemente, deixando-o sozinho em sua antiga casa cercada por um crescente população de vizinhos Hmong.

E, para desgosto de Spike Lee, Walt é um racista ferrenho. Estamos falando de racismo flagrante, irreverente e intransigente aqui. No entanto, de alguma forma, ainda é feito com muito bom gosto. Apenas Clint pode fazer isso acontecer, disso estou convencido.

O longa começa a se desenvolver quando um dos jovens vizinhos de Walt, Thao (Bee Vang), tenta roubar o seu maior tesouro, um Gran Torino 72.

Ainda brilhando como no dia em que o próprio Walt ajudou a sair da linha de montagem décadas atrás, o Gran Torino traz seu tímido vizinho adolescente Thao para sua vida quando os gangsters Hmong pressionam o garoto a tentar roubá-lo.

O evento reúne Thao e Walt, forçando Thao a aprender a se tornar um homem e Walt a lidar com seus preconceitos de longa data e, possivelmente, cumprir o desejo de sua esposa moribunda de se confessar ao padre.

É uma história muito simples, mas pungente, sobre as lacunas geracionais e culturais que enfrentamos todos os dias. Embora comovente, a história nunca vai além desses temas centrais. Isso funciona a favor e contra o filme. Ajuda a focar em um desempenho realmente esplêndido de Eastwood, que pra mim foi completamente injustiçado no Oscar de 2009.

Se ele entende ou não é uma história completamente diferente, mas seu desempenho certamente merece algum reconhecimento, pois ele entrega um personagem com profundidade real, um vaso de raiva e culpa ocultas.

A performance de Eastwood realmente conduz o tom do filme, que é muito sóbrio e metódico, pois caminha para um final claramente conjecturável. Previsível, sim, mas este filme, que foi escrito pelos novatos Dave Johannson e Nick Schenk, não está procurando dar nenhum soco no seu estômago. O público é atraído pela dor de Walt e espera que ele se transforme em uma pessoa melhor.

E, embora alguns de vocês não pensem que isso soa como um filme emocionante, lembre-se de que as aparências podem enganar. O filme se desenrola com uma série de momentos engraçados involuntariamente (ao menos é o que parece) na voz de um carrancudo Eastwood ou de uma interação descaradamente racista entre Walt e um de seus vizinhos.

É possível que nem todos achem isso divertido, pois tenho um senso de humor distorcido, mas quem sabe.

Eastwood e seus dois jovens talentosos colegas de elenco Hmong, nenhum dos quais já havia atuado antes, vendem tudo com convicção e um forte senso de realismo, mesmo quando o roteiro de Nick Schenk se torna um pouco absurdo.

Ninguém, porém, supera o título do filme, o premiado Gran Torino 72 de Walt, que ele ajudou a construir 36 anos atrás. Conforme avançamos no filme, ele se torna cada vez mais representativo, um carro que passou grande parte de sua vida velado e trancado, protegido do mundo exterior.

Parece muito com a América, não é? E, como Walt, agora estamos pagando um preço por esse isolamento, e continuaremos se não acabarmos com a xenofobia e o racismo.

Essa é a filosofia que alimenta Gran Torino, mas é o Eastwood que transforma tudo isso em combustível, provando de má vontade que até o Dirty Harry tem um coração.

Aniversariante da semana: Clint Eastwoodhttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2020/06/clint-eastwood-01.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2020/06/clint-eastwood-01-150x150.jpgLucas ManoelartigosFacebook Twitter Instagram Youtube São Francisco, Califórnia, 31 de maio de 1930. Nesta data nascia Clint Eastwood Jr, hoje conhecido por ser ator, cineasta, produtor, roteirista, musicista, diretor e político. 90 anos depois, Clint passou por diversos papéis, mas é ao faroeste que ele deve toda a sua fama. O Homem sem Nome, Os...O Impulso HQ é um site e canal no YouTube dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!