No artigo anterior, você soube como o retorno de Barry Allen, o Flash da Era de Prata, afetou a vida do Flash Wally West na década de 1990. Agora você ficará sabendo como o Wally se consolidou no alto escalão dos heróis DC e como esse “primeiro retorno” de Barry reverberou na mitologia do Flash, com elementos presentes até nas histórias atuais.

Wally presenciara um Barry Allen completamente enfurecido gritando “Eu sou o Flash” com o bandido que havia se gabado de ter eliminado o velocista escarlate da DC Comics. Deprimido com os episódios recentes, Wally questiona-se quanto a seu papel. É tocante a forma como Mark Waid conduz a trama, refletindo elementos do passado do jovem herói. Em aventuras anteriores, Wally já havia perdido seus poderes, mas nunca a identidade… Dessa vez, como ele expressa “os poderes ficaram, mas a identidade se foi”.

Linda Park, a namorada do herói é única, a saber, a forma como Barry reagira. Logo, um vilão qualquer arma um plano contra Keyston/Central City, as cidades gêmeas que servem de base de operações para o Flash, e Wally e Barry, superando o clima pesado de desconfiança entre mentor e pupilo, partem ao combate, mas vem a cair numa armadilha praticamente intransponível.

Tem início uma sequência curiosa e intensa. Curiosa porque o vilão, criado apenas para essa edição, captura os experientes heróis (ele jamais voltou a ser visto no universo DC)… Intensa porque a narrativa mostra como os velocistas encontram-se, de fato, com poucas alternativas de escapar com vida do campo energético que os envolve! Waid recorre a esse contra-senso para dar peso a dificuldade da armadilha e ao vilão, que está prestes a se revelar verdadeiramente para o leitor…

A armadilha consiste num campo energético que a cada instante se torna menor. Além disso, a energia se adapta as vibrações das quais os velocistas se valem para se tornar intangíveis e atravessar objetos sólidos. Wally percebe que ele e Barry poderão escapar se vibrarem seus corpos em frequências diferentes. Assim, Barry deixa o campo energético enquanto Wally se esforça para manter um pequeno portal aberto… Barry deixa Wally para trás, pois só pode haver um Flash e a cidade precisa pagar por tê-lo esquecido. Num esforço além de suas capacidades, Wally consegue deixar o campo sozinho…

Barry inicia a destruição de Keystone/Central City. Ele abre as portas de um presídio e conquista um exército de malfeitores. Enquanto isso, a velha guarda dos velocistas do UDC, Joel Ciclone (o primeiro Flash), Johnny Quick (do Comando Invencível, heróis da II Guerra) e Max Mercúrio (guru zen da velocidade) se reúnem pra treinar Wally West para aquela que certamente é a maior batalha de sua vida.

Wally assumiu o manto de Flash após Crise nas Infinitas Terras. Ele foi atingido por um raio do Anti-Monitor e, com isso, seus poderes foram reduzidos. Se antes ele era tão rápido quanto Barry, que se move mais rápido do que a luz, agora Wally só conseguia alcançar a velocidade do som. Os veteranos explicam seus truques para o jovem Flash, mas é Max Mercúrio que vai liberar todo o potencial do personagem, não por meio de um raio ou uma prateleira repleta de químicos, mas psicologicamente. Max mostra a Wally como o medo de “substituir” Barry fez com que ele, inconscientemente, bloqueasse a extensão de seus poderes. “Você pensa enquanto corre?” pergunta Max. “Pra não me esborrachar numa parede em mach 5? É claro!” responde Wally West. “Então você pensa demais. Deixe a velocidade fluir… como a água… ou o mercúrio” conclui o guru.

Wally tem um plano, mas Barry precisa ser detido. Assim, os veteranos confrontam o exército de Barry usando seus poderes de formas criativas – Waid e Larocque não poupam inovação ao narrar as lutas com movimentos embasados na experiência dos heróis sexagenários. Mas o grande confronto, contra o próprio Barry, se dá numa construção em obras. Não falta heroísmo nem ação!

Os veteranos compensam a falta de velocidade com sabedoria de sobra pra mostrar ao Flash perverso com quantos paus se faz uma canoa. Mas Barry Allen… é Barry Allen! Ciclone, Quick e Mercúrio são derrotados um a um. Um helicóptero com equipe de reportagem se aproxima do local da batalha e Barry cria um furacão para derruba-los, mas Joel Ciclone avança com tudo para impedir… e é pego numa explosão. Wally chega ao local decidido a colocar um fim na loucura de Barry.

Na verdade, Max Mercúrio salvou Ciclone instantes antes do fim. Barry captura Linda Park e é chegado momento de Wally tomar parte na batalha. Os velocistas se digladiam e a velocidade de Barry trucida West, que, mesmo ferido, consegue conduzir a luta para o arruinado Museu do Flash. No local, Wally rasga o traje de Barry e o mesmo recorre ao uniforme presente no anel do Flash – um elemento da Era da Prata. É o momento em que se revela que Barry é Eobard Tawne, o Flash Reverso, também conhecido como Professor Zoom, antagonista máximo do Flash Barry Allen.

Waid se vale de uma lacuna na história do vilão para explicar que Tawne era um grande fã de Barry no século XXV que enlouqueceu ao saber que seria assassinado por seu grande herói como, de fato, ocorrera. Decidido a destruir a lembrança de Barry, Tawne gastou sua fortuna para tornar-se o próprio Barry, mas durante a traumática viagem de volta no tempo, confundiu-se extremamente a ponto de crer piamente que era o Barry.

Wally e Tawne voltam a lutar com selvageria, mas o vilão teria triunfado se não fosse pela intervenção do Lanterna Verde e os demais velocistas. West retoma o combate sozinho e de forma astuta promete destruir Tawne através da Esteira Cósmica. Tawne se desespera e acaba caindo num plano de Wally West de enviá-lo ao futuro sem memórias.

Waid conclui a trama consolidando Wally como O Flash definitivo da nova geração e destila muitas ideias inovadoras e elementos que viriam a ser articulados por Geoff Johns no recente retorno de Barry Allen. Acredito que é exatamente por isso que “este retorno” seja relevante na mitologia do personagem. É uma aventura divisora de águas, pois traz de volta a grandeza dos poderes do Flash e a decisão de Wally sobre sua identidade e razão de ser.

Dennis RodrigoartigosBarry Allen,Flash,Mark WaidNo artigo anterior, você soube como o retorno de Barry Allen, o Flash da Era de Prata, afetou a vida do Flash Wally West na década de 1990. Agora você ficará sabendo como o Wally se consolidou no alto escalão dos heróis DC e como esse 'primeiro retorno' de...IMPULSO HQ é um site sobre cultura pop nerd em geral como histórias em quadrinhos, cinema, séries, mangá, anime e games
Compartilhe