A última mesa redonda do 1º Encontro Quadrinhos na Cia. abordou o tema Nova Geração e contou com a presença de Gustavo Duarte, DW Ribatski, Emilio Fraia e Vitor Cafaggi.

Assim como a mesa anterior, esta começou com os gêmeos Gabriel Bá e Fábio Moon apresentando o tema e os autores, em seguida faziam perguntas generalizadas para todos os três ou perguntas específicas para cada um deles.

Uma dessas perguntas generalizadas foi sobre as influências de cada um e foi curioso como todos eles tiveram em comum o gosto por Bill Watterson (Calvin & Haroldo) e Charles Schulz (Peanuts), o que não é fácil de notar, sobretudo nos trabalhos de Duarte e DW que trabalham mais com histórias longas.

Uma das primeiras questões abordadas foi à participação da internet na formação da nova geração. Vitor contou-nos sua experiência: “Em 2008 eu decidi que iria viver de quadrinhos, então resolvi fazer umas tirinhas e começar a divulgar pelo Orkut para me impor a produzir constantemente. Com três meses de blog o Estevão Ribeiro me chamou para fazer Pequenos Heróis, seis meses depois, fiz o MSP 50 e atualmente publico tiras no jornal O Globo”.

Para a dupla DW e Emilio, que atualmente estão produzindo o álbum Campo em Branco (previsto para 2011 pelo selo Quadrinhos na Cia.), as perguntas giraram principalmente em torno do trabalho em grupo. “É bom porque você faz histórias que não faria sozinho”, afirmou DW. “Outra coisa interessante é que a história vai tomando um rumo que, originalmente, você não previa e isso é enriquecedor”,completou Emilio.

Fraia também falou uma frase que me chamou muita atenção. Em certa passagem disse: “Por melhor que sejam as palavras, a gente se esquece delas. Mas imagens são muito fortes e elas a gente guarda”.

Gustavo Duarte respondeu sobre o fato de suas HQs não terem texto: “Eu gosto do meu trabalho quando consigo resolver uma charge sem texto. A pessoa olha, entende e ri. Eu queria passar isso para os quadrinhos. É uma opção que eu gosto e você aprende a se expressar direito porque se uma cena não dá certo, a HQ inteira corre o risco de ficar sem sentido”, disse.

Em relação às críticas, todos concordaram que é algo natural e que um autor esta sujeito a recebê-las, mas nas palavras de DW: “Quando você tem críticas positivas é sinal de que somente seus amigos estão lendo”.

Encerrando a mesa-redonda e retomando o tema da internet, Vitor afirmou: “Acho que atualmente na internet há coisas melhores nos quadrinhos do que o que vem sendo publicado”.

Antes do encerramento, Moon citou como curiosidade o fato de que nenhum dos três convidados tinha material para vender (Taxi e Có, de Gustavo Duarte, estavam esgotados e o trabalho de Vitor esta nas tiras de jornal e na internet – DW estava com material da Vigor Mortis Comics realizado em parceria com José Aguiar e Paulo Biscaia, mas não havia nada autoral dele para venda).

Moon também perguntou para a platéia se dentre ela havia alguém que pudesse se encaixar no termo Nova Geração (algumas pessoas responderam que sim) e Moon, então, questionou onde estava o material desses autores que até então ele não havia recebido nenhum.

Fábio criticou os produtores por desperdiçarem uma oportunidade rara como aquele dia de encontrar profissionais dos quadrinhos (jornalistas, editores e quadrinistas) e distribuir-lhes material. Alertou aos presentes que esse era o grande perigo da internet, as pessoas se desacostumarem a correr atrás da divulgação, de se apresentar para um profissional, desse contato com algum profissional. “Porque se você não correr atrás das suas coisas, ninguém vai fazer isso por você. Tem que aproveitar esses encontros porque desperdício é desperdício, a oportunidade não volta mais”, finalizou.

Ao término da mesa-redonda, Gabriel Bá fez um apanhado geral do conteúdo dos quatro encontros e, depois, revelou que juntamente com seu irmão, estão trabalhando numa adaptação do livro “Dois Irmãos”, lançado em 2000 pela Cia das Letras e escrito pelo amazonense Milton Hatoum. “Diferentemente da maioria das adaptações que são de obras de autores mortos que não se precisa pagar direitos autorais e nem conversar com a família, este é um livro atual, de um autor vivo e que só vai haver essa adaptação – o que nos motiva a fazer o melhor trabalho”, disse.

Alexandre Manoelcobertura de eventosDW Ribatski,Emilio Fraia,Encontro Quadrinhos na Cia,Gustavo Duarte,Vitor CafaggiA última mesa redonda do 1º Encontro Quadrinhos na Cia. abordou o tema Nova Geração e contou com a presença de Gustavo Duarte, DW Ribatski, Emilio Fraia e Vitor Cafaggi. Assim como a mesa anterior, esta começou com os gêmeos Gabriel Bá e Fábio Moon apresentando o tema e os...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe