O que nasceu de apenas um pequeno encontro de amigos no ABC Paulista (SP) na qual eu queria compartilhar o zine que estava lançando, e também trocar os dos amigos, se tornou em algo maior, talvez pelo sentimento de paixão e dedicação a esta arte. O evento foi o primeiro a celebrar o dia Internacional do Fanzine no Brasil. Sim meus amigos, a Fanzinada fez um ano!

O dia internacional do fanzine foi comemorado no dia 29 de abril, mas realizamos o nosso evento no dia anterior (28 de abril) para podermos ter presente o nosso amigo carioca, o escritor Cristiano Onofre, que participou de um debate e fez o lançamento de seu mais recente livro “Câmera Lenta”.

A Fanzinada é um evento de encontro de quem faz fanzines para quem faz e/ou quer saber mais sobre o assunto. Em meio a mudanças políticas, econômicas e tecnológicas, os Fanzines enfrentaram diversos obstáculos para seguir seu curso, principalmente em termos de concorrência, de altos gastos financeiros e mudanças constantes nos padrões das grandes mídias. Porém nem isso conseguiu extinguir essas publicações.

Fernanda de Aragão e Gazy Andraus

Os mesmos se mantêm de forma atuante, sendo necessário eventos como esse para se fortalecer e compartilhar o que tem sido produzido atualmente e também lembrar da nossa história e registros para nova geração.

Estou achando saudável esse despertar para as artes independentes, e os fanzines em contrapartida estão saindo dos guetos e da marginalidade. Com crescimento das mídias sociais como meio de comunicação, a nossa principal fonte de divulgação, estiveram presentes profissionais envolvidos e compromissadas com a arte como DJs, músicos, artistas plásticos, artesãos, quadrinhistas, grafiteiros, cineastas, escritores, poetas, educadores/pedagogos, e é claro, os curiosos!

Em uma comemoração ao Dia Internacional do Fanzine, o que não faltou foi fanzineiros e fanzineiras. Todos novamente se juntaram para festejar e participar das atrações seletivas e acessíveis a todos. O clima foi de descontração e alegria, bem típico até das pessoas que produzem fanzines.

Muitos fanzineiros (as) que não puderam comparecer por serem de outros estados acabaram mandando materiais para serem divulgados e já guardados no acervo da nossa futura Fanzinoteca no Atelier Letra Corrida, da escritora, artista plástica e fanzineira Fernanda de Aragão.

O fato é que o evento está dando um fôlego no meio alternativo de maneira bem positiva.Os eventos são tão variados quanto à criatividade de quem os provoca. Por onde passamos houve a soma de ações previamente planejadas com objetivos de ordens social pedagógica e cultural que se dimensionarão de acordo com a própria dinâmica e necessidade de informação dos fanzines.

Nesse primeiro ano de existência a Fanzinada percorreu outros estados, esteve no Museu de Arte de São Paulo (MASP), um dos principais do Brasil, e vem se consolidando para se tornar algo maior itinerante para todo o Brasil.

Eduardo Febo, Thina Curtis e Cristiano Onofre

Nesse encontro de celebração de aniversário da Fanzinada e de comemoração ao dia Internacional do Fanzine além de varias publicações independentes, exposição de artes, a discussão com Gazy Andraus de como fazer para enfim termos o Dia Nacional dos Fanzines, debate literário com os escritores e poetas da literatura marginal Cristiano Onofre (RJ) e Eduardo Febo (SP), também aconteceu o lançamento da nona edição do fanzine Spell Work, que esgotou rapidamente.

Outro momento marcante do evento foi a mostra do documentário recém saído do forno “Fanzineiros do Século Passado – Capítulo 2: O Fanzine a serviço do rock. Os fanzineiros deste século e os estímulos para a produção impressa”, de Márcio Sno. Quem ainda não viu está perdendo um registro histórico de como os fanzines fizeram parte de um movimento musical e foram importantes para a relação banda/público, em um tempo onde a Internet nem se quer era cogitada para a grande massa.

E para fechar a noite, a produção de um fanzine coletivo que foi realizado de maneira alegre e descontraída. Foi um momento apreciado e agraciado com diversas formas de conhecimento e valores proporcionados pelo evento, cabendo a si próprio de dar uma “finalidade” a essas informações e trocas.

O evento mesmo com o tempo frio e uma garoa típica de São Paulo terminou de forma fraternal, libertária e satisfatória, agregando todos os que se estiveram presentes. Talvez seja romantismo de minha parte, mas arrisco dizer que esse grupo que acompanha o evento já é uma grande família zineira que só tende a crescer! Continua de forma independente, colaborativa e no melhor estilo “Do It Yourself“!

Não deixe de ver o nosso álbum de fotos na nossa página do Facebook, clicando aqui.

Thina Curtiscobertura de eventosFanzinada,fanzineO que nasceu de apenas um pequeno encontro de amigos no ABC Paulista (SP) na qual eu queria compartilhar o zine que estava lançando, e também trocar os dos amigos, se tornou em algo maior, talvez pelo sentimento de paixão e dedicação a esta arte. O evento foi o...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe